Última Edição

0
0:08

Última Edição

1
2:07

Necessidade de medidas adicionais além do Orçamento

2
1:24

Passos Coelho diz que Governo sabia que tinha que dar mais garantias a Bruxelas

3
3:19

"O programa do PS desapareceu", diz Lobo Xavier

4
2:03

Governo diz que não vai interferir na gestão das rotas da TAP

5
1:36

Wizz Air terá nova ligação aérea entre o Porto e Varsóvia

6
2:28

Cavaco Silva visita Alentejo no fim do mandato

7
1:39

Duarte Lima considera condenação um tremendo erro judiciário

8
1:04

Venezuela confirma três mortes relacionadas com vírus Zika

9
1:26

Número de vítimas de sismo em Taiwan sobe para 94

10
1:04

Embaixador dinamarquês lamenta falta de respostas comunitárias sobre refugiados

11
0:33

Hollande culpa russos pelo agravamento da situação dos refugiados

12
1:22

Combate entre gangues rivais originou motim em prisão mexicana

13
1:21

PSP reduz efetivo para o clássico entre Benfica e FC Porto

14
1:07

Rui Vitória acredita que jogar em casa pode beneficiar Benfica

15
0:41

Proença diz que acordo para II Liga supera patrocínios dos últimos 15 anos

16
1:08

Sia confirmada no Meo Sudoeste

17
1:47

Rita Redshoes compõe banda sonora para filme do Festival Play

19:25 08.06.2012

Constâncio diz que não podia interferir nas nomeações de diretores ligados a Oliveira e Costa

LUSA Lusa

O vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE)  Victor Constâncio alegou hoje que o Banco de Portugal não tinha poderes  para destituir altos quadros do Banco Português de Negócios (BPN) que estiveram  ligados às administrações Oliveira e Costa.

Victor Constâncio falava na comissão parlamentar de inquérito sobre  a nacionalização e reprivatização do BPN, depois de questionado pelo deputado  do CDS-PP João Almeida sobre o facto de a administração do banco já nacionalizado  ter conservado em funções diretores do círculo próximo do ex-presidente  do banco Oliveira e Costa, mesmo havendo suspeitas de que esses mesmos quadros  poderia estar envolvidos em alguns dos processos-crime. 

"Era do conhecimento do dr. Victor Constâncio que o ex-administrador  com pelouro jurídico, Armando Pinto, manteve-se e foi responsável pela emissão  de pareceres do BPN público sobre matéria relacionadas com atos praticados  anteriormente? José Augusto Oliveira e Costa, ex-diretor e administrador  com o pelouro financeiro do BPN entre 2003 e 2008 manteve-se nos pelouros  de contencioso e recuperação de crédito. Isso é normal?", questionou João  Almeida. 

Victor Constâncio lamentou os dois casos específicos apontados pelo  deputado democrata-cristão, mas atribuiu essa responsabilidade à administração  do BPN nacionalizado.  

"Não acho normal, acho mal, mas é algo que excedia as competências  do Banco de Portugal, porque só pode intervir em matérias de exercício relacionadas  com administradores", alegou o atual vice-presidente do BCE. 

Victor Constâncio defendeu então a tese que o Banco de Portugal "não  tinha poderes para interferir em decisões da administração que estava empossada  e a gerir o banco". 

"Além de ser matéria de lei, na altura em que essas situações ocorreram  os processos estavam abertos e não concluídos. Não havia ainda sequer uma  condenação dessas pessoas", argumentou Victor Constâncio. 

João Almeida não se mostrou satisfeito com a argumentação de ordem  jurídica apresentada pelo ex-governador do Banco de Portugal. 

"Acabou de dizer aqui que a administração do BPN nacionalizado ia dar  credibilidade ao banco. Então dá credibilidade nomeando antigos administradores  de Oliveira e Costa para funções diretamente aos atos praticados durante  essas administrações?", contrapôs o deputado do CDS, elevando o tom de voz.

"Faça essas perguntas às pessoas que estiveram na administração do  BPN", ripostou Victor Constâncio. 

João Almeida confrontou ainda o ex-governador do Banco de Portugal  com o facto de o BPN nacionalizado ter aumentado o número de depósitos,  embora muitos deles de valor reduzido (um ou cinco euros) e que se destinariam  apenas a mascarar com efeitos estatísticos a saída de dinheiro do banco.

"Não faz parte da supervisão discutir se os depósitos têm um, cinco  ou dez euros. São depósitos legalmente constituídos", advogou o atual vice-presidente  do BPN.    

João Almeida quis ainda saber como foi possível o BPN nacionalizado  continuar a financiar antigos acionistas para recompra de ações da Sociedade  Lusa de Negócios (SLN), depois Galilei. 

"Nada há de ilegal nessa prática. Nunca tive conhecimento dela", respondeu  Constâncio 

Lusa

Comentários

ATENÇÃO:ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.
Publicidade

Agora

Inquérito

Facebook

Mais Populares

Comentários

Publicidade

Agora

Inquérito

Facebook

Mais Populares

Economia

Publicidade

Agora

Inquérito

Facebook

Mais Populares

CT: NEWS
09:32
PSI20 em alta com BPI, Sonae e Galp Energia a liderarem ganhos
09:28
Bolsas europeias corrigem perdas e seguem a negociar positivas
09:02
Juros da dívida a subir para máximos desde março de 2014
08:19
Paquistão anuncia detenção de 97 militantes da Al-Qaeda em Carachi
08:10
Bolsa de Lisboa abre em terreno positivo a subir 0,08%
08:10
Economia alemã fecha 2015 com subida de 1,7%
08:03
CP aumenta em 2% os passageiros transportados em 2015
07:22
Barril de Brent abre em alta nos 31,49 dólares
07:17
Portaria que aumenta imposto sobre combustíveis entra hoje em vigor
07:03
Empresas japonesas propõem parceria à Boeing para novo avião
X

Sabia que o seu Internet Explorer está desatualizado?

Para usufruir da melhor experiência de navegação na nossa página web recomendamos que atualize para uma nova versão. Por favor faça a atualização aqui .