sicnot

Perfil

Economia

Constâncio diz que não podia interferir nas nomeações de diretores ligados a Oliveira e Costa

O vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE)  Victor Constâncio alegou hoje que o Banco de Portugal não tinha poderes  para destituir altos quadros do Banco Português de Negócios (BPN) que estiveram  ligados às administrações Oliveira e Costa.

Lusa

Lusa

MIGUEL A. LOPES

Victor Constâncio falava na comissão parlamentar de inquérito sobre  a nacionalização e reprivatização do BPN, depois de questionado pelo deputado  do CDS-PP João Almeida sobre o facto de a administração do banco já nacionalizado  ter conservado em funções diretores do círculo próximo do ex-presidente  do banco Oliveira e Costa, mesmo havendo suspeitas de que esses mesmos quadros  poderia estar envolvidos em alguns dos processos-crime. 

"Era do conhecimento do dr. Victor Constâncio que o ex-administrador  com pelouro jurídico, Armando Pinto, manteve-se e foi responsável pela emissão  de pareceres do BPN público sobre matéria relacionadas com atos praticados  anteriormente? José Augusto Oliveira e Costa, ex-diretor e administrador  com o pelouro financeiro do BPN entre 2003 e 2008 manteve-se nos pelouros  de contencioso e recuperação de crédito. Isso é normal?", questionou João  Almeida. 

Victor Constâncio lamentou os dois casos específicos apontados pelo  deputado democrata-cristão, mas atribuiu essa responsabilidade à administração  do BPN nacionalizado.  

"Não acho normal, acho mal, mas é algo que excedia as competências  do Banco de Portugal, porque só pode intervir em matérias de exercício relacionadas  com administradores", alegou o atual vice-presidente do BCE. 

Victor Constâncio defendeu então a tese que o Banco de Portugal "não  tinha poderes para interferir em decisões da administração que estava empossada  e a gerir o banco". 

"Além de ser matéria de lei, na altura em que essas situações ocorreram  os processos estavam abertos e não concluídos. Não havia ainda sequer uma  condenação dessas pessoas", argumentou Victor Constâncio. 

João Almeida não se mostrou satisfeito com a argumentação de ordem  jurídica apresentada pelo ex-governador do Banco de Portugal. 

"Acabou de dizer aqui que a administração do BPN nacionalizado ia dar  credibilidade ao banco. Então dá credibilidade nomeando antigos administradores  de Oliveira e Costa para funções diretamente aos atos praticados durante  essas administrações?", contrapôs o deputado do CDS, elevando o tom de voz.

"Faça essas perguntas às pessoas que estiveram na administração do  BPN", ripostou Victor Constâncio. 

João Almeida confrontou ainda o ex-governador do Banco de Portugal  com o facto de o BPN nacionalizado ter aumentado o número de depósitos,  embora muitos deles de valor reduzido (um ou cinco euros) e que se destinariam  apenas a mascarar com efeitos estatísticos a saída de dinheiro do banco.

"Não faz parte da supervisão discutir se os depósitos têm um, cinco  ou dez euros. São depósitos legalmente constituídos", advogou o atual vice-presidente  do BPN.    

João Almeida quis ainda saber como foi possível o BPN nacionalizado  continuar a financiar antigos acionistas para recompra de ações da Sociedade  Lusa de Negócios (SLN), depois Galilei. 

"Nada há de ilegal nessa prática. Nunca tive conhecimento dela", respondeu  Constâncio 

Lusa

  • "O que mais tem havido nesta altura são respostas precipitadas"
    7:21

    Opinião

    Foi um "debate contigo" o de hoje, no Parlamento, sobretudo no frente-a-frente entre António Costa e Passos Coelho, na opinião de Bernardo Ferrão. O subdiretor de informação da SIC sublinha uma declaração "mortal" do primeiro-ministro, quando este disse que "ninguém quer respostas precipitadas". Por outro lado, a comissão técnica independente pedida pelo PSD pode virar-se contra o próprio partido.

    Bernardo Ferrão

  • Fuzileiros continuam no terreno a ajudar população
    3:03
  • Cozido ou empanadas chilenas para o jantar?
    5:20

    Taça das Confederações

    Portugal e Chile defrontam-se esta quarta-feira em jogo das meias-finais da Taça das Confederações. O jornalista Gonçalo Azevedo Ferreira fala sobre as previsões da imprensa chilena para o encontro, revela alguns dados sobre as presenças de Portugal e Chile em grandes competições e mostra, através das redes sociais, o lado mais descontraído da antevisão deste duelo.

  • Portugal vai pagar 3.500 milhões ao FMI até agosto
    1:18

    Economia

    Portugal vai pagar, até agosto, 3.500 milhões de euros ao Fundo Monetário Internacional. Mil milhões seguem já na sexta-feira. A antecipação do pagamento foi esta quarta-feira formalmente autorizada pelos parceiros e credores europeus.

  • Trump volta a criticar as chamadas "fake news"

    Mundo

    O Presidente norte-americano voltou a criticar aquilo a que chama de "fake news", em português "notícias falsas". Através da rede social twitter, Donald Trump diz que o jornal New York Times "nem sequer liga para verificar os factos e que, por isso, dá notícias falsas".

  • Família Obama de férias na Indonésia

    Mundo

    Das águas claras de Bali aos encantos dos templos de Java, o antigo Presidente norte-americano Barack Obama levou a esposa e as filhas de férias numa aventura de (re)descobertas por um país onde Obama viveu durante quatro anos da sua infância.

    SIC

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44
  • Desacatos no aeroporto de Faro deixam turistas britânicos em terra
    1:46

    País

    Cinco pessoas, que integravam o grupo de turistas britânicos que nos últimos dias causou desacatos em Albufeira, foram ontem impedidas de regressar a Inglaterra. Agressões no aeroporto e desacatos à entrada do avião levaram os comandantes de dois voos a recusar levar aqueles passageiros.