sicnot

Perfil

Economia

Constâncio diz que não podia interferir nas nomeações de diretores ligados a Oliveira e Costa

O vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE)  Victor Constâncio alegou hoje que o Banco de Portugal não tinha poderes  para destituir altos quadros do Banco Português de Negócios (BPN) que estiveram  ligados às administrações Oliveira e Costa.

Lusa

Lusa

MIGUEL A. LOPES

Victor Constâncio falava na comissão parlamentar de inquérito sobre  a nacionalização e reprivatização do BPN, depois de questionado pelo deputado  do CDS-PP João Almeida sobre o facto de a administração do banco já nacionalizado  ter conservado em funções diretores do círculo próximo do ex-presidente  do banco Oliveira e Costa, mesmo havendo suspeitas de que esses mesmos quadros  poderia estar envolvidos em alguns dos processos-crime. 

"Era do conhecimento do dr. Victor Constâncio que o ex-administrador  com pelouro jurídico, Armando Pinto, manteve-se e foi responsável pela emissão  de pareceres do BPN público sobre matéria relacionadas com atos praticados  anteriormente? José Augusto Oliveira e Costa, ex-diretor e administrador  com o pelouro financeiro do BPN entre 2003 e 2008 manteve-se nos pelouros  de contencioso e recuperação de crédito. Isso é normal?", questionou João  Almeida. 

Victor Constâncio lamentou os dois casos específicos apontados pelo  deputado democrata-cristão, mas atribuiu essa responsabilidade à administração  do BPN nacionalizado.  

"Não acho normal, acho mal, mas é algo que excedia as competências  do Banco de Portugal, porque só pode intervir em matérias de exercício relacionadas  com administradores", alegou o atual vice-presidente do BCE. 

Victor Constâncio defendeu então a tese que o Banco de Portugal "não  tinha poderes para interferir em decisões da administração que estava empossada  e a gerir o banco". 

"Além de ser matéria de lei, na altura em que essas situações ocorreram  os processos estavam abertos e não concluídos. Não havia ainda sequer uma  condenação dessas pessoas", argumentou Victor Constâncio. 

João Almeida não se mostrou satisfeito com a argumentação de ordem  jurídica apresentada pelo ex-governador do Banco de Portugal. 

"Acabou de dizer aqui que a administração do BPN nacionalizado ia dar  credibilidade ao banco. Então dá credibilidade nomeando antigos administradores  de Oliveira e Costa para funções diretamente aos atos praticados durante  essas administrações?", contrapôs o deputado do CDS, elevando o tom de voz.

"Faça essas perguntas às pessoas que estiveram na administração do  BPN", ripostou Victor Constâncio. 

João Almeida confrontou ainda o ex-governador do Banco de Portugal  com o facto de o BPN nacionalizado ter aumentado o número de depósitos,  embora muitos deles de valor reduzido (um ou cinco euros) e que se destinariam  apenas a mascarar com efeitos estatísticos a saída de dinheiro do banco.

"Não faz parte da supervisão discutir se os depósitos têm um, cinco  ou dez euros. São depósitos legalmente constituídos", advogou o atual vice-presidente  do BPN.    

João Almeida quis ainda saber como foi possível o BPN nacionalizado  continuar a financiar antigos acionistas para recompra de ações da Sociedade  Lusa de Negócios (SLN), depois Galilei. 

"Nada há de ilegal nessa prática. Nunca tive conhecimento dela", respondeu  Constâncio 

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.