Economia

"Foi para isto que pediram tanta austeridade?", pergunta António José Seguro

O secretário-geral do PS, António José Seguro,  afirmou hoje que o Governo "fracassou", por pedir "sacrifícios exageradíssimos"  aos portugueses e nem assim conseguir concretizar o objetivo da redução  do défice. 

JOSE SENA GOULAO

"Para que serve esta receita que o Governo está a impingir aos portugueses?"  - questionou o líder socialista, aludindo aos mais recentes números da execução  orçamental, que apontam para uma "derrapagem" de cerca de três mil milhões  de euros. Falando durante o Congresso Distrital do PS de Braga, António José Seguro  considerou que a "receita de austeridade somada a mais austeridade" é "um  crime" e um "disparate", que "só aumenta o desemprego, atira as empresas  para a falência, provoca mais empobrecimento e mais destruição da classe  média", sem conseguir equilibrar as contas públicas. 

O dirigente partidário recordou que os funcionários públicos perderam  "dois salários", foi cortado metade do subsídio de natal em 2011, aumentaram  "para o dobro" as taxas moderadoras, aumentaram "para o máximo" as taxas  de IVA sobre o gás e eletricidade e foram "cortados" os transportes para  acesso aos serviços de saúde. "Cada português pergunta-se: foi para isto que me pediram tantos sacrifícios?"  - afirmou, sublinhando que "o Governo não tem o direito de fazer isto aos  portugueses". 

O líder socialista disse que o Governo "fracassou" e deixou o aviso  ao Primeiro-Ministro: "com o PS, não haverá mais austeridade nem mais sacrifícios  para os portugueses".  Até porque "há outro caminho" que passa por uma "dose adequada" de austeridade  aplicada a um "ritmo" menos intenso, com "pelo menos mais um ano para consolidar  as contas públicas" e ainda pela prioridade ao emprego e ao crescimento  económico. Defendeu ainda que o Governo deveria "lutar" para que o Banco Central  Europeu (BCE) pudesse financiar diretamente os Estados, de forma a conseguir  juros mais baixos. 

"Não quero dinheiro fácil, não quero que o BCE financie o nosso défice.  O que eu quero é que parte do financiamento possa ser feita taxa de juro  mais baixa, e para isso não é necessário alterar qualquer tratado europeu",  referiu. 

Seguro disse que Portugal precisa de um Governo "à altura", para defender  na Europa os interesses nacionais, e criticou o "seguidismo" do Primeiro-Ministro  em relação "à senhora Merkel". O líder do PS pediu ainda uma resposta "mais robusta, mais coerente  e mais eficaz" a nível da Europa para combater a crise, sublinhando que  a "receita de austeridade a todo o custo imposta pela senhora Merkel" só  conduz "a mais desemprego e a mais dificuldades". 

 

     

 

Lusa

  • Ministério Público anulou interrogatório a Manuel Pinho
    3:13

    País

    O antigo ministro Manuel Pinho esteve esta manhã no DCIAP para ser interrogado a propósito das relações que manteve com o Grupo Espírito Santo e a EDP nos anos em que esteve no governo. No entanto a diligência ficou sem efeito a pedido do Ministério Público.

  • Três feridos dos incêndios de outubro ainda continuam internados
    1:07

    País

    Continuam internadas três vítimas dos incêndios de outubro do ano passado, entre elas uma menor, de 12 anos, no Hospital Pediátrico de Coimbra. Os outros dois feridos estão no Centro de Reabilitação da Tocha. Nove meses depois, as vítimas dos fogos continuam a ser acompanhadas em consultas de cirurgia plástica, fisioterapia e reabilitação e a nível psicológico em centros de saúde e por equipas de saúde mental comunitária.

  • CP acaba com primeiro rápido da manhã entre Lisboa e Porto

    Economia

    A CP já apresentou as alterações aos horários dos comboios Alfa Pendular e Intercidades a partir do próximo dia 5 de agosto de 2018 (domingo). A nova escala elimina o primeiro Alfa Pendular da manhã por uma nova ligação Intercidades que só sai de Lisboa aproximadamente uma hora depois. Uma medida justificada pela falta de procura mas que surge dias depois de serem denunciados problemas no funcionamento dos Comboios de Portugal.

  • Marcelo confiante na "presidência inspiradora" de Cabo Verde na CPLP
    0:40

    País

    O Presidente da República português mostra-se muito confiante nesta nova fase que se abre à CPLP, com a nova presidência da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) que passa do Brasil para Cabo Verde. À SIC, Marcelo Rebelo de Sousa admitiu que, em Brasília, havia muitas questões pendentes mas agora há "um clima muito positivo entre os membros da CPLP, com maior peso na comunidade mundial".