Economia

Mais de 335.500 pessoas receberam RSI em maio, mais 3.736 do que em abril 

O número de beneficiários do Rendimento Social  de Inserção (RSI) voltou a aumentar em maio, totalizando agora mais de 335.500  pessoas, com 3.736 novos beneficiários entre abril e maio, um salto de 1,12  por cento. 

Os dados da Segurança Social surgem um dia antes da entrada emvigor  das novas regras de atribuição deprestações do sistema de segurança social, que excluem de receber RSI todas as pessoas que tenham mais de 25 mileuros  em depósitos bancários. De acordo com a Segurança Social, no final do mês de maio havia335.576  beneficiários do RSI, depois deno mês anterior terem sido contabilizados 331.840, o que significam 3.736 novos beneficiários. 

Já comparando com maio de 2011, regista-se um aumento de 2,36 porcento,  uma vez que nessa altura havia327.817 pessoas a beneficiarem desta prestação social. Porto, Lisboa e Setúbal continuam a ser os distritos do país commais  beneficiários, respetivamente100.778, 65.069 e 26.234. 

Na análise dos primeiros cinco meses do ano, é possível constatarque  entre janeiro e maio há um aumentode 17.216 beneficiários depois de no primeiro mês do ano haver registo de 318.360 beneficiários do RSI, oque  representa um crescimento de 5,4 porcento. 

Os dados da Segurança Social revelam também que em maio deramentrada  nos serviços 7.866requerimentos, menos 916 do que em abril (8.782) e menos  4.566 do que em janeiro (12.432). Por sexo e escalão etário, é possível ficar a saber que a maioriatem  menos de 18 anos (125.267) e é dosexo feminino (174.822), enquanto no lado oposto estão as pessoas com idade igual ou superior a 65 ano (3.523). No  total há 160.752 homens a receber RSI. 

O número de famílias beneficiárias também aumentou, havendo agora126.330,  mais 1.463 do que em abril(1,17 por cento) e mais 6.973 do que em janeiro (5,84 por cento).  Comparativamente ao período homólogo de 2011, registam-se mais4.456  famílias (3,65 por cento), já queem maio desse ano havia 121.874 famílias beneficiárias do RSI.  Do total de famílias beneficiárias no final de maio deste ano,38.940  não têm quaisquer rendimentos,18.971 recebem menos de 50 euros, 14.058 auferem entre 100 a 200 euros, enquanto 12.542 têm rendimentossuperiores  a 700 euros. 

Já pelo valor da prestação social, 5.211 famílias recebem menos de  25 euros, 53.941 têm direito a um RSI entre100 a 200 euros, enquanto 4.188 beneficiam de mais de 600 euros. 

O valor médio da prestação social por família em maio era de 246,72  euros, enquanto por beneficiário era de 92,20euros. 

 

     

 

Lusa

  • Ministério Público anulou interrogatório a Manuel Pinho
    3:13

    País

    O antigo ministro Manuel Pinho esteve esta manhã no DCIAP para ser interrogado a propósito das relações que manteve com o Grupo Espírito Santo e a EDP nos anos em que esteve no governo. No entanto a diligência ficou sem efeito a pedido do Ministério Público.

  • Três feridos dos incêndios de outubro ainda continuam internados
    1:07

    País

    Continuam internadas três vítimas dos incêndios de outubro do ano passado, entre elas uma menor, de 12 anos, no Hospital Pediátrico de Coimbra. Os outros dois feridos estão no Centro de Reabilitação da Tocha. Nove meses depois, as vítimas dos fogos continuam a ser acompanhadas em consultas de cirurgia plástica, fisioterapia e reabilitação e a nível psicológico em centros de saúde e por equipas de saúde mental comunitária.

  • CP acaba com primeiro rápido da manhã entre Lisboa e Porto

    Economia

    A CP já apresentou as alterações aos horários dos comboios Alfa Pendular e Intercidades a partir do próximo dia 5 de agosto de 2018 (domingo). A nova escala elimina o primeiro Alfa Pendular da manhã por uma nova ligação Intercidades que só sai de Lisboa aproximadamente uma hora depois. Uma medida justificada pela falta de procura mas que surge dias depois de serem denunciados problemas no funcionamento dos Comboios de Portugal.

  • Marcelo confiante na "presidência inspiradora" de Cabo Verde na CPLP
    0:40

    País

    O Presidente da República português mostra-se muito confiante nesta nova fase que se abre à CPLP, com a nova presidência da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) que passa do Brasil para Cabo Verde. À SIC, Marcelo Rebelo de Sousa admitiu que, em Brasília, havia muitas questões pendentes mas agora há "um clima muito positivo entre os membros da CPLP, com maior peso na comunidade mundial".