Economia

Mais de centena e meia de pessoas protestam pelo direito ao trabalho

Cerca de uma centena e meia de pessoas estão concentradas, desde as 15:00, no Largo do Camões, em Lisboa, numa ação pelo  direito ao emprego, estando a distribuir panfletos a convocar para repetir  a manifestação do "15 de outubro". 

Os manifestantes começaram a organizar-se por volta das 16:10 para descer  a calçada do Combro até São Bento, sob o olhar atento de mais de uma dezenas  de elementos da PSP. 

"Por um futuro que também nos pertence e que não pode construir-se sem  nós" é um dos cartazes de uma das muitas jovens presentes hoje na concentração  organizada pelo Movimento Sem Emprego (MSE). 

Em declarações à Agência Lusa, Tiago Lima, que pertence à Plataforma  '15 de outubro' e ao MSE, explicou que este movimento foi criado no início  de março com o intuito de "reunir as pessoas que se encontravam desempregadas,  estavam em casa isoladas para lhes dar força e trazê-las para a rua". 

O elemento da organização lembrou que "existem atualmente cerca de um  milhão e 300 mil desempregados nos país e que a maior parte não tem subsídio  nem dinheiro para viver". 

Foi por causa deste cenário que nasceu o MSE, que defende várias medidas  como as redução de horário de trabalho sem redução salarial para as 35 horas  semanais ou o fim da obrigatoriedade dos desempregados terem de comparecer  no centro de emprego. 

A organização do MSE e da Plataforma '15 de outubro' estão a distribuir  panfletos a quem passa no largo de Lisboa apelando à participação em dois  plenários com dois objetivos diferentes.  

O MSE convoca as pessoas para uma concentração a 03 de julho no clube  de Santa Catarina para definir novas ações de luta e a Plataforma '15 de  outubro' tem preparada uma reunião dia 08 de setembro na casa do Brasil  para começar a preparar uma manifestação semelhante à realizada o ano passado  no dia 15 de outubro. 

"No ano passado milhares de pessoas saíram à rua. Este ano vamos organizar  uma manifestação a 13 de outubro porque dia 15 calha a uma segunda-feira,  mas as razões que levam as pessoas para a rua são as mesmas", disse à Lusa  Tiago Lima. 

No panfleto da Plataforma '15 de outubro' pode ler-se "a Democracia  sai à rua e nós saímos com ela". 

"Consideramos necessário continuar nas ruas em conjunto com todos os  povos do mundo especialmente no dia 13 de outubro quando se comemorará um  ano de protesto internacional do dia 15 e outubro", lê-se no panfleto. 

Lusa

  • Ministério Público anulou interrogatório a Manuel Pinho
    3:13

    País

    O antigo ministro Manuel Pinho esteve esta manhã no DCIAP para ser interrogado a propósito das relações que manteve com o Grupo Espírito Santo e a EDP nos anos em que esteve no governo. No entanto a diligência ficou sem efeito a pedido do Ministério Público.

  • Crédito automóvel acelera
    1:05
  • Três feridos dos incêndios de outubro ainda continuam internados
    1:07

    País

    Continuam internadas três vítimas dos incêndios de outubro do ano passado, entre elas uma menor, de 12 anos, no Hospital Pediátrico de Coimbra. Os outros dois feridos estão no Centro de Reabilitação da Tocha. Nove meses depois, as vítimas dos fogos continuam a ser acompanhadas em consultas de cirurgia plástica, fisioterapia e reabilitação e a nível psicológico em centros de saúde e por equipas de saúde mental comunitária.

  • Marcelo confiante na "presidência inspiradora" de Cabo Verde na CPLP
    0:40

    País

    O Presidente da República português mostra-se muito confiante nesta nova fase que se abre à CPLP, com a nova presidência da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) que passa do Brasil para Cabo Verde. À SIC, Marcelo Rebelo de Sousa admitiu que, em Brasília, havia muitas questões pendentes mas agora há "um clima muito positivo entre os membros da CPLP, com maior peso na comunidade mundial".