Última Edição

0
0:08

Última Edição

1
2:39

Execução orçamental não preocupa Marcelo

2
1:15

Testemunhas dizem que jovem se colocou de pé no carrossel antes de cair

3
1:24

Colisão frontal no IP2 provoca dois mortos

4
2:33

Organização aponta para 40 mil manifestantes em Lisboa na defesa dos contratos de associação

5
0:39

Cristas defende que em alguns casos a escola pública possa ser sacrificada

6
0:48

Marcelo diz que Portugal tem-se esforçado para cumprir compromissos europeus

7
1:33

ONU calcula que 700 migrantes terão morrido em naufrágios nos últimos dias

8
0:47

Deputada alemã atacada com tarte de chocolate

9
1:16

Jovem violada no Brasil pede que o chefe da investigação seja substituído

10
1:28

Libertado suspeito de violação de jovem de 16 anos no Brasil

11
2:52

Madrid em festa com a vitória do Real

12
1:07

Gorila abatido depois de rapaz de 4 anos ter caído no interior da jaula

13
1:53

Mais de 40 pessoas atingidas por raios na Polónia, França e Alemanha

14
2:22

Malas de viagem para ajudar escola em Angola

15
3:09

Concerto de homenagem a BB King em Sabrosa

16
1:52

Fãs de Ariana Grande desiludidos com o cancelamento do concerto

12:30 14.08.2012

Vários dados sobre a taxa de desemprego em Portugal apontam para tendência de subida no último ano

REUTERS

O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgou hoje que a taxa de desemprego em Portugal para o segundo trimestre de 2012 foi de 15%, mas a proliferação de dados estatísticos sobre o emprego pode confundir. 

Numa coisa todos os números estão de acordo: no último ano, a tendência do desemprego em Portugal tem sido para subir. 

A taxa divulgada pelo INE é a taxa 'oficial': significa que, entre abril  e junho deste ano, 15 % da população ativa estava desempregada,  o equivalente a 827 mil pessoas. 

Esta taxa é calculada através de um inquérito por amostragem. Para o  INE, a definição de desempregado, segundo padrões internacionais, é uma  pessoa entre 15 e 74 anos que não tinha emprego, mas estava disponível e  fez esforços ativos para trabalhar.  

O INE divulga trimestralmente os seus dados. No entanto, todos os meses,  o gabinete estatístico da Comissão Europeia anuncia uma taxa de desemprego  harmonizada para os 27. 

Já segundo o Eurostat, a taxa de desemprego em Portugal em junho atingiu  os 15,4 %. Não há necessariamente discrepância entre os números  do INE e os do Eurostat; uns são trimestrais, os outros são mensais.  

Note-se contudo que o Eurostat não produz estatísticas. As suas taxas  são calculadas com base nos números produzidos pelo INE e pelo Instituto  do Emprego e da Formação Profissional (IEFP). A Organização para a Cooperação  e Desenvolvimento Económico (OCDE) também divulga dados sobre o desemprego  para os seus 30 membros; no caso de Portugal, a OCDE reproduz os números  do Eurostat. 

Para lá das taxas, há o 'desemprego registado': o número de inscritos  nos centros de emprego do IEFP. No final de junho, havia 645.995 desempregados  inscritos em centros de emprego. 

Alguns economistas juntam o número dos trabalhadores em situação de  subemprego ou de inativos ao número "oficial" de desempregados, para calcular  uma taxa de desemprego "real". 

Nas estatísticas hoje divulgadas, o INE introduziu três novos indicadores:  o subemprego de trabalhadores a tempo parcial, os inativos à procura de  emprego, mas não disponíveis, e os inativos disponíveis, mas que não procuram  emprego. 

O subemprego de trabalhadores a tempo parcial, que abrangia 266 mil  pessoas no segundo trimestre, refere-se a pessoas com trabalho em 'part  time' dispostas a trabalhar mais horas. 

Os inativos à procura de emprego, mas não disponíveis eram 38 mil no  segundo trimestre; são pessoas que embora tenham procurado ativamente emprego  não estavam disponíveis para trabalhar de imediato (por estarem, por exemplo,  à espera dos resultados de uma entrevista de emprego ou por já terem aceite  um emprego que só começará numa data posterior). 

Os inativos disponíveis, mas que não procuram emprego eram 217 mil no  segundo trimestre; trata-se neste caso de indivíduos que estavam prontos  para trabalhar, mas, por uma série de razões, não procuraram ativamente  emprego. 

Apesar de todas as taxas, é a taxa 'oficial' do INE que as instituições  internacionais usam para permitir comparações e para fazer previsões. 

A "troika", na mais recente revisão do memorando de entendimento com  o Governo português, apresentou uma previsão de 15,5 % para a taxa  desemprego em Portugal no total de 2012.  

É também esse o valor previsto para este ano pelo Governo, que prevê  que a taxa se agrave para 16 % em 2013. 

Com Lusa

Comentários

ATENÇÃO:ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.
Publicidade

Agora

Inquérito

Facebook

Mais Populares

Comentários

Publicidade

Agora

Inquérito

Facebook

Mais Populares

Economia

Publicidade

Agora

Inquérito

Facebook

Mais Populares

CT: NEWS
01:17
Estivadores do Porto de Lisboa regressam hoje ao trabalho
01:00
Jerónimo acusa PSD e CDS de cinismo nas declarações sobre os contratos
00:52
Jogadores da seleção satisfeitos com o resultado do jogo com a Noruega
00:51
Autoridades mexicanas confirmam rapto de jogador do Olympiacos Alan Pulido
00:50
Fernando Santos diz que a seleção tem de saber jogar sem Ronaldo
00:19
PR diz que execução orçamental não dá razão para preocupações
00:01
Representante da oposição síria nas negociações de paz anuncia demissão
23:52
ONU calcula que 700 migrantes terão morrido em naufrágios nos últimos dias
23:04
Rui Gonçalves termina GP de Espanha de motocrosse no 19.º lugar
23:03
Wawrinka e Murray avançam para os quartos de final do Roland Garros
X

Sabia que o seu Internet Explorer está desatualizado?

Para usufruir da melhor experiência de navegação na nossa página web recomendamos que atualize para uma nova versão. Por favor faça a atualização aqui .