Última Edição

0
0:05

Última Edição

1
1:09

Português sobrevivente do acidente em Zamora "fora de perigo"

2
0:40

Acessos difíceis e vento forte dificultam combate ao fogo em Belmonte

3
0:43

Alerta de desaparecimento de homem em Carcavelos

4
1:43

Trabalhadores da Soares da Costa voltam a reclamar salário e subsídio em atraso

5
0:27

Analistas previam já clima de receio na reabertura da bolsa de Atenas

6
1:27

Há 1 ano o BES era dividido em banco mau e banco bom

7
2:13

DECO interpôs duas acções em tribunal contra os supervisores no caso BES

8
0:29

Autoridades malaias confirmam que destroços pertencem a um Boeing 777

9
1:50

Governo dos EUA apresenta plano de combate às alterações climáticas

10
0:41

Rui Vitória garante que o Benfica vai melhorar

11
3:01

Tudo sobre o casamento de Jorge Mendes, o já chamado casamento do ano

12
0:57

José Mourinho atirou medalha de derrotado para a bancada [outra vez]

13
1:31

Fundador do Facebook anunciou na rede social que vai ser pai [e não só]

14
1:58

Ainda não começou o festival e o Sudoeste já está cheio

12:30 14.08.2012

Vários dados sobre a taxa de desemprego em Portugal apontam para tendência de subida no último ano

REUTERS

O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgou hoje que a taxa de desemprego em Portugal para o segundo trimestre de 2012 foi de 15%, mas a proliferação de dados estatísticos sobre o emprego pode confundir. 

Numa coisa todos os números estão de acordo: no último ano, a tendência do desemprego em Portugal tem sido para subir. 

A taxa divulgada pelo INE é a taxa 'oficial': significa que, entre abril  e junho deste ano, 15 % da população ativa estava desempregada,  o equivalente a 827 mil pessoas. 

Esta taxa é calculada através de um inquérito por amostragem. Para o  INE, a definição de desempregado, segundo padrões internacionais, é uma  pessoa entre 15 e 74 anos que não tinha emprego, mas estava disponível e  fez esforços ativos para trabalhar.  

O INE divulga trimestralmente os seus dados. No entanto, todos os meses,  o gabinete estatístico da Comissão Europeia anuncia uma taxa de desemprego  harmonizada para os 27. 

Já segundo o Eurostat, a taxa de desemprego em Portugal em junho atingiu  os 15,4 %. Não há necessariamente discrepância entre os números  do INE e os do Eurostat; uns são trimestrais, os outros são mensais.  

Note-se contudo que o Eurostat não produz estatísticas. As suas taxas  são calculadas com base nos números produzidos pelo INE e pelo Instituto  do Emprego e da Formação Profissional (IEFP). A Organização para a Cooperação  e Desenvolvimento Económico (OCDE) também divulga dados sobre o desemprego  para os seus 30 membros; no caso de Portugal, a OCDE reproduz os números  do Eurostat. 

Para lá das taxas, há o 'desemprego registado': o número de inscritos  nos centros de emprego do IEFP. No final de junho, havia 645.995 desempregados  inscritos em centros de emprego. 

Alguns economistas juntam o número dos trabalhadores em situação de  subemprego ou de inativos ao número "oficial" de desempregados, para calcular  uma taxa de desemprego "real". 

Nas estatísticas hoje divulgadas, o INE introduziu três novos indicadores:  o subemprego de trabalhadores a tempo parcial, os inativos à procura de  emprego, mas não disponíveis, e os inativos disponíveis, mas que não procuram  emprego. 

O subemprego de trabalhadores a tempo parcial, que abrangia 266 mil  pessoas no segundo trimestre, refere-se a pessoas com trabalho em 'part  time' dispostas a trabalhar mais horas. 

Os inativos à procura de emprego, mas não disponíveis eram 38 mil no  segundo trimestre; são pessoas que embora tenham procurado ativamente emprego  não estavam disponíveis para trabalhar de imediato (por estarem, por exemplo,  à espera dos resultados de uma entrevista de emprego ou por já terem aceite  um emprego que só começará numa data posterior). 

Os inativos disponíveis, mas que não procuram emprego eram 217 mil no  segundo trimestre; trata-se neste caso de indivíduos que estavam prontos  para trabalhar, mas, por uma série de razões, não procuraram ativamente  emprego. 

Apesar de todas as taxas, é a taxa 'oficial' do INE que as instituições  internacionais usam para permitir comparações e para fazer previsões. 

A "troika", na mais recente revisão do memorando de entendimento com  o Governo português, apresentou uma previsão de 15,5 % para a taxa  desemprego em Portugal no total de 2012.  

É também esse o valor previsto para este ano pelo Governo, que prevê  que a taxa se agrave para 16 % em 2013. 

Com Lusa

Comentários

ATENÇÃO:ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.
Publicidade

Agora

Inquérito

Facebook

Mais Populares

Comentários

Publicidade

Agora

Inquérito

Facebook

Mais Populares

Economia

Publicidade

Agora

Inquérito

Facebook

Mais Populares

CT: NEWS
12:49
Lucro da Generali em Portugal cresce 3% para 3,6 M€
12:48
Centenas de tropas da coligação árabe em Áden, no sul do Iémen
12:48
CDS-PP/Madeira diz que vai lutar por sistema fiscal próprio
12:47
4 mortos e 18 feridos graves nas estradas entre 6ª feira e domingo
12:46
Novo secretário regional da Saúde da Madeira toma posse na 4ª f.
12:46
GNR fez 193 detenções no fim de semana em todo o país
11:54
Oh Land ao vivo a 23 de outubro no Paradise Garage, em Lisboa
11:52
Ex-ministro brasileiro José Dirceu detido no escândalo da Petrobras
11:33
Proprietários que alojem imigrantes no Reino Unido podem ser presos
11:32
Lucros da Porsche caem 5,2% para 1650 M€ até junho
X

Sabia que o seu Internet Explorer está desatualizado?

Para usufruir da melhor experiência de navegação na nossa página web recomendamos que atualize para uma nova versão. Por favor faça a atualização aqui .