Ultima Edição

1
0:05

Última Edição

2
1:34

Portugal consegue 750 milhões a uma taxa de juro de 3,59%

3
2:50

"Não devemos esfolar um coelho antes de o caçar"

4
2:24

Troika reuniu-se com parceiros sociais e ouviu críticas à intenção de cortar mais nos salários

5
1:04

Sorteio aumenta em 40% número de empresas que emitem fatura

6
1:56

Governo pondera fixar valor de referência do gás de botija

7
1:25

Duplo homicida procurado por cerca de cem elementos da GNR e PJ

8
1:09

Mulher suspeita da morte de três filhos no Reino Unido

9
1:31

Obama na Ásia para promover EUA como parceiro estratégico

10
2:16

Austrália garante que não vai desistir das buscas ao voo 370

11
1:26

Gaitán já treinou sem limitações, Fejsa continua condicionado

17:12 06.03.2013

Maioria dos portugueses viajaram de férias no ano passado mas crise afetou quase metade

reuters

A maioria dos portugueses (52%) viajou em  2012, um valor muito abaixo da média europeia (71%), segundo um Eurobarómetro  hoje divulgado, em Bruxelas, que indica ainda ter sido a situação financeira  que impediu as férias de muitos. 

No entanto, dos quase metade dos portugueses (42%, contra 27% na média  europeia) que responderam não ter viajado no ano passado,  uma maioria de  61% alegou razões financeiras (UE 46%), ficando em terceiro lugar depois  dos búlgaros (73%) e dos gregos (72%). 

Por outro lado, o Eurobarómetro sobre turismo revela também que a maioria  dos portugueses (62%) optou por fazer férias no próprio país (UE 47%). 

Para este ano, 27% dos portugueses planeiam fazer férias de curta duração  - até três noites consecutivas (UE 29%) - 25% optarão por estadas de média  duração - entre 4 e 13 noites - (UE 42%) e 13% dizem que farão férias de  longa duração (UE 20%). 

Questionados sobre se a situação de crise financeira terá influência  no planeamento de férias para este ano, 35% dos inquiridos responderam afirmativamente,  acrescentando que irão gastar menos durante o período escolhido (UE 22%).

Outros 13% disseram ter optado por uma estada mais curta (UE 14%), 12%  responderam que a crise em nada altera os seus planos de férias (UE 41%)  e 6% (UE 5%) alteraram o destino escolhido. 

Em Portugal, foram inquiridas 1.021 pessoas (26.601 na UE), no período  entre 24 e 30 de janeiro, pela Euroteste. 

Lusa

Comentários

ATENÇÃO:ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.
Publicidade

Agora

Facebook

Mais Populares

Comentários

Publicidade

Agora

Facebook

Mais Populares

Economia

Publicidade

Agora

Facebook

Mais Populares

CT: NEWS
X

Sabia que o seu Internet Explorer está desatualizado?

Para usufruir da melhor experiência de navegação na nossa página web recomendamos que atualize para uma nova versão. Por favor faça a atualização aqui .