sicnot

Perfil

Economia

Governo decide IRC do próximo ano antes da apresentação do OE 2015

O Governo decide se volta a baixar a taxa de IRC na primeira quinzena de outubro, antes da apresentação do Orçamento do Estado para 2015, segundo o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Paulo Núncio.

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Paulo Núncio. (Arquivo)

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Paulo Núncio. (Arquivo)

Lusa

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Paulo Núncio, afirmou hoje aos jornalistas, à margem de uma conferência sobre a reforma do IRS, em Lisboa, que "o Governo apenas se pronunciará sobre o IRC na primeira quinzena de outubro, seguindo o que está consensualizado na reforma do IRC [aprovada] no ano passado".

Na reforma do IRC, que entrou em vigor a 01 de janeiro de 2014, estava definido que "a redução da taxa de IRC (...) para 21% em 2015, bem como a sua fixação num intervalo entre 17% e 19% em 2016, será objeto de análise e ponderação por uma comissão de monitorização da reforma a constituir para o efeito".

A 30 de junho, o Governo nomeou a Comissão de Monitorização da Reforma do IRC, presidida pelo antigo líder parlamentar do CDS-PP Lobo Xavier, que liderou também a revisão do imposto.

Em comunicado emitido na altura pela tutela, estava definido que esta comissão tem como objetivo proceder a "uma avaliação dos resultados alcançados pela reforma do IRC e, em função da situação económica e financeira do país, recomendar ao Governo a taxa nominal do imposto a fixar em 2015 e 2016".

Na semana anterior, o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Paulo Núncio, tinha reiterado a intenção do Governo de fixar entre os 17% e os 19% a taxa de IRC no médio prazo.

A comissão de monitorização da reforma do IRC deverá apresentar um relatório a 30 de setembro.

Em janeiro, a Assembleia da República aprovou a reforma, que baixou a taxa do imposto de 25% para 23% este ano e prevê reduzi-la para os 19% em 2018, alterou o regime da derrama estadual e eliminou o regime de dupla tributação, entre outros aspetos.

 

 

 

 

 

Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.