sicnot

Perfil

Economia

CMVM pede explicações a Isabel dos Santos sobre eventual fusão entre BPI e BCP

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) informou hoje ter pedido esclarecimentos a Isabel dos Santos sobre uma eventual fusão que a empresária defenderá entre o BPI e o BCP, de acordo com notícia do Expresso 'online'.

(SIC/Arquivo)

A CMVM, diz fonte oficial à agência Lusa, "pediu esclarecimento conforme previsto nos procedimentos de supervisão de informação de emitentes".

A indicação do regulador surge após o Expresso 'online' noticiar que Isabel dos Santos, segunda maior acionista do BPI, através da empresa Santoro, vai propor que se iniciem conversações entre o BPI e o BCP - onde a Sonangol detém a maior posição acionista - com vista a uma fusão.

O objetivo será o de travar a Oferta Pública de Aquisição (OPA) do CaixaBank sobre o BPI, liderado por Fernando Ulrich.

O CaixaBank anunciou a 17 de fevereiro a intenção de adquirir a maioria do capital do BPI por 1,329 euros por ação, num total de 1,082 mil milhões de euros.

O banco catalão é o maior acionista do BPI, com 44,1% do banco, contando com quatro membros no Conselho de Administração do banco português, seguindo-se a empresária angolana Isabel dos Santos, através da Santoro, com 18,6%, e o Grupo Allianz, com 8,4%.

O CaixaBank ofereceu 1,329 euros por cada ação do BPI, um valor que representou um prémio de 27% face ao valor das ações um dia antes do anúncio. Contudo, o CaixaBank poderá estar a ser pressionado a elevar a oferta.


Lusa

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".