sicnot

Perfil

Economia

Economia da zona euro em fevereiro alcançou maior crescimento desde julho de 2014

A economia da zona euro em fevereiro alcançou o maior crescimento desde julho de 2014 e acelerou pelo terceiro mês consecutivo, anunciou hoje a empresa de serviços de informação financeira Markit. 

© Susana Vera / Reuters

O PMI (Purchasing Managers Index) composto da zona euro atingiu 53,3 pontos em fevereiro, inferior ao valor da primeira estimativa, de 53,5 pontos, contra 52,6 pontos em janeiro e superando os 50 pontos pelo vigésimo mês consecutivo, segundo a Markit.       

Um índice PMI inferior a 50 pontos significa contração, enquanto um superior indica expansão da atividade. 

Pela primeira vez desde abril de 2014, a atividade económica expandiu-se nos principais quatro países da zona euro. 

Por países, o crescimento da atividade na zona euro em fevereiro foi liderado de novo pela Irlanda e pela Espanha. O ritmo da expansão da atividade económica também acelerou para um máximo em quatro meses na Alemanha, enquanto a atividade total em Itália aumentou pelo segundo mês consecutivo, ainda que a um ritmo mais lento, adianta a Markit.  

A Markit também salienta que em fevereiro a França saiu da estagnação e registou o maior crescimento da atividade total desde agosto de 2011. 

O economista chefe da Markit, Chris Williamson, sublinha, em comunicado, que "o panorama melhorou para todos os países" e adianta que "as preocupações sobre a possível saída da Grécia da zona euro e o contágio a outros países se reduziram". 

Assim, Williamson defende que "a debilidade do euro deveria ajudar a impulsionar as exportações e, talvez o mais importante, o início do programa de compra de dívida do Banco Central Europeu (BCE) deveria estimular a economia à medida que o ano avança". 

 
Lusa
  • Pyongyang compara Trump a Hitler

    Mundo

    A Coreia do Norte compara o Presidente norte-americano Donald Trump a Adolf Hitler. Pyongyang já acostumou o mundo à sua linguagem "colorida" quando critica os seus inimigos. Mas comparações com o responsável por mais de 60 milhões de mortes são muito raras.