sicnot

Perfil

Economia

Governo quer 30% de mulheres até 2018 na gestão de empresas cotadas em Bolsa

O Governo anunciou hoje que vai iniciar negociações com as empresas cotadas em bolsa para que estas se comprometam a incluir pelo menos 30% de mulheres nos respetivos conselhos de administração até ao final de 2018.

(Reuters/Arquivo)

Esta decisão foi anunciada no final do Conselho de Ministros pela secretária de Estado dos Assuntos Parlamentares e da Igualdade, Teresa Morais, que admitiu a futura adoção de "medidas de natureza mais imperativa" caso as empresas não adiram "voluntariamente" a esse objetivo.

"As empresas têm nas suas próprias mãos a solução para este problema e, portanto, estão a tempo de o resolverem sem uma lei de quotas. Se não o fizerem voluntariamente, deixarão aberto esse caminho para a possibilidade de se criarem formas mais imperativas de atingir o mesmo objetivo", declarou Teresa Morais, na conferência de imprensa sobre as conclusões do Conselho de Ministros.

De acordo com Teresa Morais, o Conselho de Ministros mandatou um conjunto de membros do Governo para "encetarem negociações com as empresas cotadas em bolsa com vista à promoção de um compromisso por parte dessas empresas que deve pressupor da sua parte a vinculação a um objetivo de representação do sexo sub-representado - neste caso, das mulheres - 30% até ao final do ano de 2018", estabelecendo para esse processo negocial um "prazo de 90 dias".

A secretária de Estado da Igualdade referiu que o último levantamento feito pelo executivo PSD/CDS-PP "aponta para a existência de 9,7% de mulheres nos conselhos de administração das empresas cotadas que responderam ao inquérito".

Segundo o comunicado do Conselho de Ministros, "ficou também decidida a criação e o fornecimento, sem custos para as empresas, de um mecanismo de apoio para identificação e análise das diferenças salariais entre homens e mulheres, ficando as empresas vinculadas à implementação de uma estratégia para a eliminação das diferenças salariais que forem identificadas".

Teresa Morais adiantou que "aquilo que está em causa é uma ferramenta, um instrumento produzido pela Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego que é uma espécie de calculadora que as empresas podem utilizar para o diagnóstico das suas diferenças salariais, acompanhada de um apoio técnico por parte do Governo". 

A secretária de Estado disse que, em Portugal, o valor de diferenças salariais entre mulheres e homens que desempenham idênticas funções é de 13%, sendo a média da União Europeia de 16,4%.

A secretária de Estado da Igualdade considerou que a desigualdade salarial e a sub-representação das mulheres nas administrações das empresas são problemas "generalizados aos países da União Europeia" e que estão na agenda europeia.

Quanto à meta de representação de pelo menos 30% de mulheres, assinalou que "há uma proposta de diretiva comunitária cuja progressão tem sido difícil mas que propõe idênticos níveis e objetivos", e reclamou que "o Governo tem todas as condições para apresentar este compromisso às empresas, na medida em que tem feito a sua parte".

"De janeiro do ano passado a fevereiro deste ano, nomeou 35,3% de mulheres no conjunto das nomeações feitas em Conselho de Ministros. Por outro lado, o setor empresarial do Estado bastante à frente do setor privado no que diz respeito à representação das mulheres nos conselhos de administração", mencionou. 

Teresa Morais disse ainda que "o Governo envolveu neste debate o Governador do Banco de Portugal e o presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários", que manifestaram "abertura para uma intervenção das entidades reguladoras a esse nível". 

O comunicado do Conselho de Ministros refere que vão participar nas "diligências" junto das empresas cotadas em bolsa a secretária de Estado dos Assuntos Parlamentares e da Igualdade, a secretária de Estado do Tesouro, o secretário de Estado do Desenvolvimento Regional, o secretário de Estado Adjunto e da Economia e o secretário de Estado do Emprego.


Lusa

  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • ERSE concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões euros a mais à EDP
    0:53

    País

    José Gomes Ferreira afirmou esta sexta-feira que a ERSE -Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões de euros a mais do que o necessário à EDP. Contratos que foram postos em prática em 2007 por Manuel Pinho, na altura ministro da Economia.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59