sicnot

Perfil

Economia

Greve parcial do Metro de Lisboa confirmada para 16 e 18 de março

A greve parcial do Metro de Lisboa marcada para os dias 16 e 18 de março vai manter-se, após a empresa ter desmarcado uma reunião com as organizações de trabalhadores, agendada para sexta-feira, disse hoje fonte sindical.

(Lusa/Arquivo)

(Lusa/Arquivo)

(Lusa/Arquivo)

Anabela Carvalheira, da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans), disse à agência Lusa que a greve se mantém "já que não há reunião" entre a empresa e os trabalhadores na sexta-feira.

Em comunicado, a Fectrans acusa a administração do Metro de Lisboa de não se preocupar com os trabalhadores e utentes e de não fazer "nenhum esforço para evitar novas lutas na empresa, que os trabalhadores não desejam", demonstrando que "faz parte do problema e não da solução".

Por sua vez, a empresa, em nota enviada à agência Lusa, informou que "a reunião foi desconvocada pelo Metropolitano de Lisboa porque os Sindicatos decidiram avançar com dois pré-avisos de greve, para os próximos dias 16 e 18 de março, quando já estava agendada uma reunião para dia 06 de março".

"A empresa reitera que existirá sempre abertura ao diálogo, promovendo todas as reuniões que sejam necessárias para o efeito, desde que não existam greves agendadas nesses períodos", sublinhou a empresa.

Os trabalhadores do Metro marcaram, para a próxima sexta-feira, um plenário para "adotar novas formas de luta".

No plenário de trabalhadores do metropolitano será discutida a "situação social da empresa, a questão da subconcessão ou privatização e a atitude da empresa no que diz respeito à resolução dos problemas dos trabalhadores", afirmou Anabela Carvalheira.

A greve, inicialmente convocada para 25 de fevereiro, e posteriormente adiada para 16 e 18 de março, abrange o período entre as 06:30, hora normal de abertura das estações, e as 09:30.

A greve parcial foi convocada para os dias 24 e 27 de fevereiro, tendo a paralisação do dia 27 sido adiada para os dias 16 e 18 de março, sob a condição do Metro de Lisboa se reunir com os trabalhadores.

A 25 de fevereiro, a dirigente sindical disse à Lusa que a greve dos dias 16 e 18 de março só se realizaria se "a empresa não se reunisse com os trabalhadores num encontro marcado para dia 06 de março".

A greve tinha sido convocada, de acordo com Anabela Carvalheira, devido "às péssimas condições de trabalho que estão a ser impostas aos trabalhadores, sobretudo na área operacional". 

"A falta de diálogo que tem havido, quer com a empresa quer com o Governo, para resolver os problemas concretos de trabalho da maior parte das categorias profissionais, a redução cada vez mais acentuada do número de trabalhadores, o pior serviço público que estamos a prestar à população, quer por razões economicistas quer por esta redução de trabalhadores e a defesa da empresa enquanto empresa pública", são algumas das razões para a paralisação, segundo a sindicalista.


Lusa

  • Relatório pedido pelo Governo PSD-CDS já apontava falhas no SIRESP
    2:26
  • Proteção Civil aponta falhas do SIRESP, operadora diz que esteve à altura do fogo
    4:22
  • Temer pode cair menos de um ano depois da queda de Dilma
    3:06
  • Imagens do resgate de crianças feridas num bombardeamento na Síria
    2:00

    Mundo

    Os Estados Unidos acusam o regime sírio de estar a preparar um novo ataque químico e avisam Bashar al-Assad que vai pagar caro se o concretizar. No terreno, os ataques aéreos continuam a fazer vítimas civis. Da periferia de Damasco chegam imagens dramáticas do resgate de duas crianças feridas num bombardeamento.

  • Mulher atira moedas para o motor do avião por superstição

    Mundo

    As superstições levam as pessoas a fazer coisas bizarras e até, mesmo, perigosas. Este foi o caso de uma mulher chinesa que decidiu atirar moedas para o motor de um avião, para garantir boa sorte na viagem, que estava prestes a fazer. Contudo, a ação obrigou ao atraso do voo que partia de Xangai, numa companhia aérea chinesa.

  • Modelo italiana atacada com ácido volta ao trabalho

    Mundo

    Gessica Notaro, antiga concorrente do concurso Miss Itália, já regressou ao trabalho como treinadora de leões marinhos, cinco meses depois de ter sido atacada com ácido, alegadamento pelo ex-namorado, Jorge Edson Tavares. Gessica Notaro diz que quer inspirar e encorajar outras mulheres a lutar contra o assédio e o bullying nas relações.