sicnot

Perfil

Economia

Stock da Cunha considera fusão BPI/BCP um projeto "interessante"

O presidente do Novo Banco, Eduardo Stock da Cunha, disse hoje que a possível fusão entre o BPI e o BCP, proposta por Isabel dos Santos, é uma operação interessante, caso se venha a concretizar. 

ANT\303\223NIO COTRIM

"A fusão BCP/BPI é um movimento, caso venha a concretizar-se, interessante. Mas deixo isso para os analistas", afirmou o responsável durante a videoconferência de apresentação de resultados do Novo Banco.

"Nós precisamos é de trabalhar todos os dias. Não nos pronunciamos sobre o que pode existir ou não a nível de concentração com outros bancos", acrescentou.

Stock da Cunha realçou que a gestão do Novo Banco está condicionada pelo facto de se tratar de um banco de transição e que tem já um processo de venda em curso.

"Estamos condicionados na nossa atividade em diversos aspetos estratégicos. Podemos fazer apenas e só aquilo que o Banco de Portugal nos autorize a fazer de forma expressa e não apenas tácita", vincou.

E ilustrou: "Por exemplo, se amanhã eu me quisesse fundir com o BCP, eu não podia".

O BPI é um dos bancos interessados na compra do Novo Banco tendo, entretanto, sido alvo de uma oferta pública de aquisição (OPA) por parte do seu maior acionista, o catalão CaixaBank.

Mas o BPI tem igualmente em mãos uma proposta feita pela empresária angolana Isabel dos Santos, segunda maior acionista do BPI, através da empresa Santoro, para que se iniciem conversações entre o BPI e o BCP - onde a Sonangol detém a maior posição acionista - com vista a uma fusão.

Na semana passada, tanto o BPI como o BCP confirmaram que tinham recebido uma carta da empresária angolana, em nome da Santoro Finance, a propor uma fusão entre os dois bancos portugueses.


  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • Mais de um milhão de crianças em risco de morrer à fome
    1:23
  • Esquerda contra a venda do Novo Banco
    1:51

    Economia

    O futuro do Novo Banco promete agitar a maioria de esquerda nas próximas semanas. O Bloco de Esquerda e o PCP estão contra os planos de privatização e insistem que a solução é nacionalizar o banco. O Bloco de Esquerda defende que privatizar 75% é o pior de dois mundos. Já o PCP diz que o banco deve ser integrado no setor público.

  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32

    País

    Há cada vez mais homens e idosos a pedirem ajuda à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. Segundo o relatório anual da APAV conhecido esta segunda-feira, foram identificadas quase 10 mil vítimas de violência no ano passado. Cerca de 80% são mulheres casadas e com cerca de 50 anos.