sicnot

Perfil

Economia

IPSS recebem 12,7 milhões de euros através do IRS

Cerca de 12,7 milhões de euros  de receitas conseguidas com a consignação do IRS vão ser este mês entregues a 2.255 Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS), informa hoje o Ministério das Finanças. 

A lei que ainda se encontra em vigor prevê que as despesas de educação possam ser dedutíveis à coleta do IRS, ou seja, depois de já ter sido determinada a taxa de imposto a que o contribuinte está sujeito. Mas esta era uma possibilidade que o Governo, pelo menos ponderou eliminar, tendo em conta a proposta que saiu da reunião do Governo de dia 16.

A lei que ainda se encontra em vigor prevê que as despesas de educação possam ser dedutíveis à coleta do IRS, ou seja, depois de já ter sido determinada a taxa de imposto a que o contribuinte está sujeito. Mas esta era uma possibilidade que o Governo, pelo menos ponderou eliminar, tendo em conta a proposta que saiu da reunião do Governo de dia 16.

© Omar Sanadiki / Reuters

As receitas a transferir para as IPSS aumentaram cerca de 39%, quando comparadas com os 9,1 milhões de euros de receitas conseguidas com a consignação do IRS anterior.

Este valor a transferir para as IPSS resultou da consignação de 0,5% do IRS de 412 mil famílias, mais 48 mil do que em 2014.

Segundo o ministério, nos últimos quatro anos, entre 2011 e 2014, as famílias portuguesas consignaram mais de 35 milhões de euros a IPSS.

Este ano, os contribuintes podem consignar parte do seu IRS a 2.616 IPSS, destinando, no momento do preenchimento da declaração de IRS, uma verba correspondente a 0,5% do imposto liquidado.

As IPSS apoiam as famílias mais carenciadas e com menores recursos.

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.