sicnot

Perfil

Economia

Juncker "impressionado" com iniciativa de Portugal, Espanha e França sobre energia

O presidente da Comissão Europeia afirmou-se hoje "impressionado" com a iniciativa dos governos português, espanhol e francês no sentido de garantir um reforço das interligações de eletricidade, para por fim ao isolamento da Península Ibérica em termos energéticos.

Reuters

Num debate no Parlamento Europeu, em Estrasburgo, sobre a próxima cimeira de chefes de Estado e de Governo da União Europeia (a 19 e 20 de março), cuja agenda será dedicada, entre outros temas, à criação da "União da Energia", Jean-Claude Juncker apontou a cimeira realizada na semana passada em Madrid, na qual participou, como um bom exemplo de uma ação concreta para por termo a "elementos irracionais" no atual panorama energético da UE.

"No Conselho Europeu de 2002 em Barcelona, ao qual assisti como primeiro-ministro do meu país [Luxemburgo], acordámos um objetivo de interligações de 10%. Estamos longe [desse objetivo], mas, com as decisões que tomámos em Madrid, aproximar-nos-emos desse objetivo", disse, observando que, atualmente, a Península Ibérica é, de facto, "uma verdadeira ilha em termos de aprovisionamento energético".

Na reunião de Madrid celebrada a 04 de março, o primeiro-ministro Pedro Passos Coelho, o chefe de governo espanhol, Mariano Rajoy, e o presidente francês, François Hollande, assinaram uma declaração conjunta na qual se comprometem a trabalhar em conjunto para que a Península Ibérica deixe de ser uma "ilha do ponto de vista energético", com um mecanismo de monitorização que assegure o cumprimento da meta de 10% até 2020.

"Estou impressionado pelo facto de os três governos envolvidos terem estabelecido um grupo de trabalho que seguirá a aplicação das medidas que tomámos em Madrid. Se o tivéssemos feito em 2002, não teríamos que o fazer agora. Trata-se de agir de forma concreta. Foi o que fizemos em Madrid, há uma semana, e é o que devemos fazer para por termo a elementos irracionais na nossa paisagem energética", declarou Juncker perante os eurodeputados
  • Atentados na Catalunha estão relacionados, 14 mortos

    Ataque em Barcelona

    Uma pessoa morreu e cinco suspeitos foram abatidos num segundo ataque esta madrugada em Espanha, depois do atentado de ontem que fez 13 mortos em Barcelona. As operações de busca centram-se num nome: Moussa Oukabir. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • Driss Oukabir: suspeito do atentado ou vítima de roubo de identidade?
    2:40

    Ataque em Barcelona

    Um dos dois suspeitos, do ataque nas Ramblas, detidos pela polícia foi inicialmente identificado como Driss Oukabir, um homem de 28 anos. Mais tarde, um homem com o mesmo nome apresentou-se numa esquadra em Girona, a mais de 100 quilómetros do local do atropelamento afirmando que lhe tinha sido roubada a identificação. De acordo com alguma imprensa espanhola, poderá ter sido o irmão, Moussa Oukabir, um jovem de 18 anos que vive em Barcelona, como explicou também Nuno Rogeiro, comentador da SIC.

  • "Nas Ramblas, é como se nada tivesse acontecido"
    1:35

    Ataque em Barcelona

    Um atentado terrorista em Barcelona matou 13 pessoas e feriu cerca de 100. O ataque aconteceu na zona das Ramblas, quando uma carrinha avançou sobre quem circulava nessa grande via no centro da capital da Catalunha. O repórter Emanuel Nunes está em Barcelona e deu conta do regresso à normalidade nas Ramblas, logo às primeiras horas da manhã.

  • Barcelona abalada pelo terrorismo
    1:03
  • "O abandono provoca incêndios desta dimensão"
    0:55

    País

    O antigo vereador da Câmara de Mação José Silva acredita que a desertificação do interior também é, em parte, responsável pelos incêndios. Segundo José Silva, Mação tem cada vez menos habitantes e é por essa razão que os terrenos são deixados ao abandono.

  • Mação perdeu 80% da área florestal
    3:39
  • Médicos e ministro da Saúde voltam hoje às negociações

    País

    O Ministério da Saúde deverá apresentar uma proposta que poderá ser decisiva para a convocação ou não de uma nova greve. O Sindicato Independente dos Médicos e a Federação Nacional de Médicos tinham anunciado, no dia 11 de agosto, que vão realizar uma greve de dois dias na primeira semana de outubro, se a nova proposta negocial não levar em conta o que reivindicam.