sicnot

Perfil

Economia

PR diz que partidos devem unir-se no combate ao desemprego e pobreza

O Presidente da República afirmou hoje que os partidos devem unir-se no combate ao desemprego e à pobreza ao ser confrontado com as críticas do PS à forma como reagiu sobre a dívida à Segurança Social do primeiro-ministro.

RICARDO GRA\303\207A

"Eu convido os partidos políticos a unirem-se e a trabalharem para o combate ao desemprego, este é o principal problema do país. Não há nenhum que ultrapasse este grave problema que nós temos, que é o desemprego", declarou Aníbal Cavaco Silva, em Alqueidão, Ourém, no distrito de Santarém, no final de uma jornada de trabalho dedicada à floresta.

O chefe de Estado insistiu na necessidade dos partidos se empenharem "no combate à pobreza, na defesa da competitividade da economia, porque esse é um grande desígnio nacional".

No sábado, o presidente da República escusou-se a comentar a dívida do primeiro-ministro à Segurança Social, alegando que "um presidente de bom senso deve deixar aos partidos as suas controvérsias político-partidárias que já cheiram a campanha eleitoral", declarações que suscitaram críticas de diversos partidos da oposição.

Nesse dia, em declarações à SIC, o secretário-geral do PS, António Costa, considerou "infelizes" as declarações do Presidente da República ao "desviar para a oposição as responsabilidades exclusivas" de Pedro Passos Coelho no caso da dívida à Segurança Social.

Questionado como viu as críticas dos partidos, Cavaco Silva salientou que "um presidente da República nunca comenta declarações que os partidos fazem nas suas polémicas de natureza político-partidária".

"Já tive ocasião de dizer que nem agora, nem no futuro, irei interferir na vida político-partidária", disse o Presidente da República ao ser questionado se o primeiro-ministro deve um pedido de desculpas aos portugueses ou se as suas condições políticas à frente do Governo estão fragilizadas.

"Houve um chefe de Estado que no passado foi acusado de ter interferido na vida política de um partido e o seu líder demitiu-se, acusando esse chefe de Estado. Comigo isso nunca acontecerá", assegurou.

Lusa
  • Governo enfrenta vaga de contestação
    2:35

    Economia

    O Governo enfrenta uma onda de contestação. Guardas prisionais, procuradores, professores, médicos e enfermeiros descontentes ameaçam com greves nos diferentes setores, já nos meses de março e abril.

  • Proposta criação de 77 mil empregos através de uma descida da TSU
    1:23
  • Bastonário dos médicos diz que a classe deixou de acreditar no ministro da Saúde
    2:24

    País

    Desde Março do ano passado que perto de mil médicos especialistas aguardam colocação nos hospitais. O concurso, prometido várias vezes pelo ministro da Saúde, não abriu ainda por falta de autorização do Ministério das Finanças. Amanhã, quinta-feira, um grupo destes médicos vai à Assembleia da República entregar uma carta que entretanto já seguiu para os ministros da Saúde e Finanças.

  • 296 mortos em 2 dias de bombardeamentos em Ghouta Oriental
    2:16
  • Tiroteio na Florida foi o 18.º registado em meio escolar nos EUA desde janeiro
    1:25