sicnot

Perfil

Economia

PR diz que partidos devem unir-se no combate ao desemprego e pobreza

O Presidente da República afirmou hoje que os partidos devem unir-se no combate ao desemprego e à pobreza ao ser confrontado com as críticas do PS à forma como reagiu sobre a dívida à Segurança Social do primeiro-ministro.

RICARDO GRA\303\207A

"Eu convido os partidos políticos a unirem-se e a trabalharem para o combate ao desemprego, este é o principal problema do país. Não há nenhum que ultrapasse este grave problema que nós temos, que é o desemprego", declarou Aníbal Cavaco Silva, em Alqueidão, Ourém, no distrito de Santarém, no final de uma jornada de trabalho dedicada à floresta.

O chefe de Estado insistiu na necessidade dos partidos se empenharem "no combate à pobreza, na defesa da competitividade da economia, porque esse é um grande desígnio nacional".

No sábado, o presidente da República escusou-se a comentar a dívida do primeiro-ministro à Segurança Social, alegando que "um presidente de bom senso deve deixar aos partidos as suas controvérsias político-partidárias que já cheiram a campanha eleitoral", declarações que suscitaram críticas de diversos partidos da oposição.

Nesse dia, em declarações à SIC, o secretário-geral do PS, António Costa, considerou "infelizes" as declarações do Presidente da República ao "desviar para a oposição as responsabilidades exclusivas" de Pedro Passos Coelho no caso da dívida à Segurança Social.

Questionado como viu as críticas dos partidos, Cavaco Silva salientou que "um presidente da República nunca comenta declarações que os partidos fazem nas suas polémicas de natureza político-partidária".

"Já tive ocasião de dizer que nem agora, nem no futuro, irei interferir na vida político-partidária", disse o Presidente da República ao ser questionado se o primeiro-ministro deve um pedido de desculpas aos portugueses ou se as suas condições políticas à frente do Governo estão fragilizadas.

"Houve um chefe de Estado que no passado foi acusado de ter interferido na vida política de um partido e o seu líder demitiu-se, acusando esse chefe de Estado. Comigo isso nunca acontecerá", assegurou.

Lusa
  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Opinião

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Pj ainda não fez detenções relacionadas com atropelamento de adepto italiano
    1:52

    Desporto

    As autoridades policiais confirmaram à SIC que o atropelamento que fez este sábado uma vítima mortal, junto ao Estádio da Luz, não terá sido acidental. A Policia Judiciária já saberá quem foi o autor do atropelamento. O homem faria parte do grupo de adeptos do Benfica, que se envolveram em confrontos com adeptos do Sporting.