sicnot

Perfil

Economia

Maiores bancos em Portugal ultrapassam os mil milhões de prejuízos em 2014

Os cinco maiores bancos que atuam no mercado português - incluindo o Novo Banco -tiveram em termos agregados um prejuízo de 1.002 milhões de euros em 2014, com o Santander Totta a ser o único a registar lucros. 

Em termos de deve e haver, os prejuízos globais de 1.195,4 milhões de euros apurados no ano passado pela Caixa Geral de Depósitos (CGD), pelo Banco Comercial Português (BCP), pelo Novo Banco e pelo Banco BPI foram atenuados pelo resultado líquido positivo de 193,1 milhões de euros do Banco Santander Totta.

Os resultados das quatro instituições financeiras em 2013, excluindo o Novo Banco - que não é comparável - foi de um prejuízo de 1.150 milhões de euros, ano em que a CGD e o BCP tiveram resultados líquidos negativos e foram atenuados pelos lucros do BPI e do Santander Totta.

Em 2013, o Banco Espírito Santo (BES), que foi intervencionado a 4 de agosto de 2014 dando lugar ao Novo Banco, tinha apresentado um prejuízo de 518 milhões de euros. E os resultados do primeiro semestre do então ainda designado BES, os últimos a serem tornados públicos, foram os piores de sempre em Portugal, ascendendo a 3,6 mil milhões de euros.

Esta semana, o Novo Banco anunciou um prejuízo de 467,9 milhões de euros entre agosto e 31 de dezembro do ano passado.

A CGD registou um resultado líquido negativo de 348 milhões de euros em 2014, uma redução face ao prejuízo de 579 milhões de euros no ano anterior.

Já o BCP encerrou o exercício de 2014 com um prejuízo consolidado de 217,9 milhões de euros, traduzindo uma melhoria face aos resultados negativos de 740,5 milhões registados em 2013.

Quanto ao BPI, obteve prejuízos de 161,6 milhões de euros em 2014, quando em igual período do ano passado atingiu lucros de 66,8 milhões de euros.

Por fim, o Santander Totta, que integra o gigante espanhol Banco Santander, apurou lucros de 193,1 milhões de euros no ano passado, quase duplicando o resultado líquido de 2013, que se situou em 102 milhões de euros.



LUSA