sicnot

Perfil

Economia

Juncker lamenta falta de progressos nas negociações com a Grécia

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, lamentou hoje, em Bruxelas, a falta de progressos nas recentes negociações com Atenas sobre o prolongamento da ajuda financeira à Grécia, mas disse acreditar no sucesso.

© Eric Vidal / Reuters

"Não estou satisfeito com os desenvolvimentos na Grécia nestas últimas semanas, acho que não progredimos o suficiente, mas vamos esforçar-nos por uma conclusão bem sucedida", disse Juncker, numa curta declaração à entrada para uma reunião com o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras.


Juncker considerou o encontro entre ambos como "decisivo" e salientou querer "um sucesso e não um falhanço" nas negociações com Atenas.


"Temos falado por telefone, mas decidimos agora fazê-lo pessoalmente e tentaremos avançar na direção de uma conclusão bem sucedida das questões que temos de tratar", salientou.


Por seu lado, Tsipras disse que está a "debater o melhor modo de aplicar as decisões tomadas no Eurogrupo de 20 de fevereiro" passado.


O líder do Governo grego chegou hoje de manhã à sede da Comissão vindo de um encontro com o presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, a quem assegurou não haver "um problema grego, mas sim europeu".


No final da reunião com Schulz, o chefe do executivo ateniense assegurou que a Grécia está a cumprir com os seus compromissos e sublinhou esperar que os seus parceiros façam a sua parte para ser encontrada "uma solução".


Schulz apelou, por seu lado, a um maior diálogo entre as partes.


A Grécia iniciou na quarta-feira as negociações técnicas com a Comissão Europeia (CE), o Banco Central Europeu (BCE) e o Fundo Monetário Internacional (FMI), sob o alerta de que será preciso um acordo para que seja emprestado mais dinheiro a Atenas.


O Eurogrupo chegou a 20 de fevereiro passado a um acordo sobre o prolongamento por quatro meses, até junho, da assistência financeira à Grécia.


Em contrapartida, as autoridades gregas comprometeram-se a conduzir uma série de reformas, em linha com as condições previstas no atual programa.



Lusa



  • As mulheres na clandestinidade durante o Estado Novo
    7:32

    País

    Não se sabe quantas mulheres portuguesas viveram na clandestinidade durante o Estado Novo, mas estiveram sempre lado a lado com os homens que trabalhavam para o Partido Comunista na luta contra a ditadura. Aceitavam serem separadas dos filhos e mudarem de identidade várias vezes ao longo dos anos. A história de algumas destas mulheres estão agora reunidas num livro que acaba de ser lançado.