sicnot

Perfil

Economia

Adesão à greve do Metropolitano de Lisboa "é elevada", diz sindicato

A adesão dos trabalhadores à greve do Metropolitano de Lisboa era hoje às 07:30 "elevada", encontrando-se as portas das estações encerradas até às 10:00, disse à agência Lusa a sindicalista Anabela Carvalheira. 

(Lusa/Arquivo)

"A adesão, à semelhança das greves anteriores, é elevada. Está a decorrer normalmente, encontrando-se as estações fechadas. Os trabalhadores que deveriam ter entrado nas áreas operacionais não entraram", disse à Lusa Anabela Carvalheira, da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans).

De acordo com a sindicalista da FECTRANS, a expectativa é que se mantenham os índices de adesão das últimas greves.

"Em causa está a intenção da concessão, a defesa da empresa no setor público e um serviço de qualidade às populações, as questões mais específicas das condições de trabalho que não estão a ser cumpridas. Em suma, é o continuar de uma luta que já é longa e que o Governo não quer de maneira nenhuma resolver, antes pelo contrário", criticou.

As estações do Metropolitano de Lisboa abrem hoje apenas às 10:00 - foram encerradas por decisão do Metropolitano de Lisboa -, devido a uma greve parcial dos trabalhadores, que decorre esta manhã, para contestar as condições de trabalho.

A greve parcial dos trabalhadores decorre entre as 06:30, hora normal de abertura das estações, e as 09:30, devendo a abertura das mesmas e a circulação das composições acontecer a partir das 10:00, divulgou a empresa, em comunicado.

A paralisação, convocada por diversos sindicatos, é a primeira desta semana, já que se realizará outra greve parcial na quarta-feira.

Os trabalhadores do metro já realizaram uma greve nestes moldes a 23 de fevereiro passado e adiaram para hoje e quarta-feira uma outra paralisação que esteve marcada para 26 do mês passado.

Segundo o sindicato, entre as razões para a greve estão "a falta de diálogo, quer por parte da empresa quer do Governo, para resolver os problemas concretos de trabalho da maior parte das categorias profissionais, a redução cada vez mais acentuada do número de trabalhadores" e "a defesa da empresa enquanto empresa pública".

Devido à greve, a Carris vai reforçar o número de autocarros nos trajetos servidos pelas carreiras 726 (Sapadores-Pontinha), 736 (Cais do Sodré-Odivelas), 744 (Marquês de Pombal-Moscavide) e 746 (Marquês de Pombal-Estação da Damaia), que coincidem com eixos servidos pelo Metro, acrescentou o Metropolitano, em comunicado.


Lusa
  • Traço contínuo às curvas
    2:42
  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Cristas calcula défice de 3,7% sem "cortes cegos" das cativações
    0:45

    Economia

    Assunção Cristas diz que o défice de 2,1% só foi conseguido porque o Governo fez cortes cegos na despesa pública. Esta manhã, depois de visitar uma unidade de cuidados continuados em Sintra, a presidente do CDS-PP afirmou que, pelas contas do partido, sem cativações, o défice estaria nos 3,7%.

  • Reservas de viagens na Páscoa e no verão aumentaram
    1:19

    Economia

    As reservas de viagens no período da Páscoa e do verão aumentaram este ano, tanto para o estrangeiro como para dentro de Portugal. O Algarve, a Madeira e os Açores continuam a ser os destinos de eleição. Os portugueses estão também a marcar férias com mais antecedência, uma das receitas para conseguir melhores preços.

  • Escada rolante inverte sentido e varre dezenas de pessoas
    1:15
  • Sol influencia alterações climáticas na Terra

    Mundo

    As flutuações da atividade solar têm um efeito sobre o clima da Terra, concluiu um estudo de investigadores suíços, que conseguiu, pela primeira vez, estimar a influência do Sol no aquecimento do planeta.