sicnot

Perfil

Economia

Greve de 24 horas nos Transportes Sul do Tejo começou esta madrugada

Os trabalhadores da Transportes Sul do Tejo ( TST) realizam hoje uma greve de 24 horas que se iniciou esta madrugada, em protesto contra os "baixos salários" na empresa.

João Saúde espera que o plenário seja muito participado.

João Saúde espera que o plenário seja muito participado.

(Arquivo SIC)

A paralisação na rodoviária foi marcada pela Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans) e começou às 3:00 desta segunda-feira, estando também agendado um plenário junto à Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) de Almada.

 

"Avançámos para a greve de 24 horas porque é a única maneira que temos de todos os trabalhadores da empresa conseguirem estar no plenário. O facto de a greve ser de 24 horas não significa que os autocarros vão estar parados esse tempo, pois os trabalhadores são livres de decidir se vão ou não trabalhar depois do plenário", disse à Lusa João Saúde, da Fectrans.

 

O sindicalista explica que os trabalhadores exigem uma melhoria salarial, considerando que os atuais salários são "muito baixos".

 

"A empresa continua a fazer um caminho de empobrecimento salarial. Os trabalhadores têm muita responsabilidade e ganham 623 euros, o que é muito pouco e lutamos por um salário digno. A empresa tem condições para uma melhoria salarial", explicou.

 

Em fevereiro, os trabalhadores da TST também realizaram uma greve de 24 horas, com a empresa TST a explicar, na ocasião, que foi aplicada uma atualização salarial de 1%, com efeito a partir de 01 de janeiro deste ano.

 

"É um valor acima da taxa de inflação esperada. Tendo em conta a perda de 1,6 milhões de passageiros em 2014 e os fatores externos que ocorreram no início de 2015, tais como a manutenção do tarifário, o aumento significativo dos impostos no gasóleo, a reposição do custo do trabalho suplementar e o resultado líquido negativo da empresa em 900 mil euros, a TST fará um enorme esforço financeiro para poder continuar a manter os postos de trabalho e, desta forma, minorar estas repercussões na vida dos seus colaboradores", explicou.

 

João Saúde disse ainda que o sindicato está pronto a avançar com processos judiciais em relação aos tempos de disponibilidade, período de tempo em que o trabalhador, embora não esteja obrigado a permanecer no local de trabalho pode ser chamado pela empresa em caso de necessidade.

 

"No nosso entendimento os tempos de disponibilidade são ilegais e se os trabalhadores o entenderem, estamos prontos a avançar para o tribunal. Já o fizemos com os descansos compensatórios e estamos a vencer todos os processos", salientou.


A Transportes Sul do Tejo desenvolve a sua atividade na Península de Setúbal e serve os concelhos de Alcochete, Almada, Barreiro, Moita, Montijo, Palmela, Seixal, Sesimbra e Setúbal, incluindo ligações a Lisboa.


Lusa