sicnot

Perfil

Economia

Lisboa recebe hoje protesto nacional contra lei da renda apoiada

O primeiro protesto nacional contra a nova lei da renda apoiada realiza-se hoje, em Lisboa, sendo esperadas cerca de mil pessoas de 30 bairros, estima o Instituto de Apoio aos Bairros Sociais (IBS), que integra a organização.

(SIC/ Arquivo)

(SIC/ Arquivo)

Daniela Serralha, do IBS, disse à agência Lusa serem esperados "cinco autocarros" do Norte do país, enquanto os moradores da zona da Lisboa se deslocarão em meios próprios para participarem primeiro numa marcha entre o Largo do Rato e a Assembleia da República e depois no protesto frente ao Parlamento.

Trata-se do "primeiro encontro nacional de bairros municipais e suas associações, o que será histórico", acrescentou Daniela Serralha.

Na lista de críticas está o cálculo de renda com base nos rendimentos brutos e não líquidos, a falta de obras nos bairros, assim como a desigualdade de tratamento de cidadãos, uma vez que as "rendas não foram aumentadas no mercado livre (face ao período transitório de cinco anos que impõe vários travões nas subidas)".

A nova lei entrou em vigor no início do mês.

O início do protesto está previsto para as 14:00.

Lusa
  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.