sicnot

Perfil

Economia

Diretor-geral da Autoridade Tributária apresentou demissão

O diretor-geral da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) apresentou hoje o pedido de demissão. A ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, já aceitou o pedido de demissão. A saída foi anunciada em comunicado, sem serem revelados os motivos.

SIC

"O Diretor-geral da Autoridade Tributária e Aduaneira apresentou hoje, dia 18 de março de 2015, o seu pedido de demissão à ministra de Estado e das Finanças [Maria Luis Albuquerque], que foi aceite", lê-se na nota do Ministério enviada às redações, sem precisar o motivo do pedido de demissão.

Foi há menos de um ano, em julho do ano passado, que Brigas Afonso foi escolhido pelo Governo para suceder a José Azevedo Pereira na direção da AT, sendo a gestão tributária dos impostos especiais sobre o consumo uma das suas áreas de investigação, a par com o direito aduaneiro.

A demissão de Brigas Afonso surge dois dias depois de o Ministério das Finanças ter anunciado que solicitou à Inspeção-Geral de Finanças (IGF) a abertura de um inquérito sobre a existência de uma alegada lista na AT de contribuintes VIP e um dia depois de a Procuradoria-geral da República (PGR) anunciar estar a recolher informação sobre a existência dessa lista de contribuintes VIP com o objetivo de avaliar se vai dar início a algum procedimento.

"A PGR encontra-se a coligir informação sobre essa matéria, com vista a avaliar da necessidade de iniciar procedimentos que mostrem pertinentes, no âmbito das atribuições do Ministério Público", referiu terça-feira a PGR numa resposta à Lusa.

Antes disso, já o presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos (STI), Paulo Ralha, havia denunciado a existência da referida lista, adiantando que foi o chefe de divisão dos serviços de auditoria da AT, que informou os trabalhadores da sua existência numa ação de formação para 300 inspetores tributários.

O sindicalista relacionava mesmo esta lista de contribuintes com os 140 processos disciplinares que foram abertos a trabalhadores que, alegadamente, acederam a informação de contribuintes constantes na referida lista.

O STI acrescentava ainda que os processos disciplinares aos trabalhadores dos impostos começaram a ser aplicados desde dezembro, depois de ter sido noticiado que os funcionários da AT estavam a ser investigados por alegadamente terem consultado os dados fiscais do primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho.

A existência da referida lista sempre foi, no entanto, negada pelo Governo e pelo diretor-geral da AT, que agora se demitiu.

António Brigas Afonso, "desmente que tenha recebido qualquer tipo de lista da parte do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais", Paulo Núncio, tal como noticiou a revista Visão, lia-se num comunicado da AT. 

Num debate no parlamento, também o primeiro-ministro negou que exista na AT de uma qualquer 'bolsa VIP' destinada a contribuintes considerados especiais.


Com Lusa
  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41