sicnot

Perfil

Economia

Governo quer livro de reclamações eletrónico até ao verão

O Governo quer criar, até ao verão, uma plataforma única eletrónica para receber queixas dos consumidores na qual estarão representadas as entidades que regulam os setores mais visados nas reclamações, anunciou hoje o secretário de Estado da Economia.

Leonardo Mathias disse aos jornalistas que o livro de reclamações eletrónico "está em processo legislativo", devendo o diploma ser enviado para o Conselho Nacional do Consumo até ao final do mês.

O objetivo é "facilitar o acesso aos consumidores, promover um tratamento mais eficaz e mais célere das reclamações e melhorar a coordenação entre diversas entidades públicas", adiantou o secretário de Estado, após a 26.ª reunião do Conselho Nacional do Consumo, que contou com cerca de 40 representantes de diversas entidades.

O projeto-piloto da plataforma eletrónica, que vai estar disponível em simultâneo com a versão em papel do livro de reclamações, envolve entidades como a ANACOM (Autoridade Nacional de Comunicações), ERSE (Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos), ERSAR (Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos) e ASAE (Autoridade para a Segurança Alimentar e Económica), destinatárias da maioria das reclamações feitas pelos portugueses.

Só no ano passado, a ASAE recebeu cerca de 130 mil queixas, a ANACOM perto de 90 mil e a ERSE e a ERSAR, entre cinco a seis mil cada.

Os números têm vindo a aumentar, indicando uma maior consciencialização dos consumidores quanto aos seus direitos, mas refletem também a entrada no mercado liberalizado da energia, no caso da ERSE e o facto de a ERSAR ter alargado o seu âmbito de atuação, justificou a diretora da Direção-Geral do Consumo, Teresa Moreira.

No futuro, o objetivo é alargar a plataforma a mais entidades.

O modelo do livro de reclamações eletrónico ainda não está definido, mas para fazer a queixa será necessário, em princípio, indicar o NIF e o setor da entidade reclamada, segundo Leonardo Mathias.

Na reunião de hoje foram também discutidas alterações ao atual Código da Publicidade que visam refletir, segundo o secretário de Estado, "o desenvolvimento das novas tecnologias e o aumento do comércio eletrónico", que aumentou quatro vezes entre 2005 e 2014, passando de quatro para 17%.

Leonardo Mathias quer ter uma proposta legislativa "consensualizada" na segunda quinzena de abril e pretende colocar o documento em consulta pública posteriormente, "pelo menos 20 dias", para que possa ser aprovado em Conselho de Ministros no final de maio ou início de julho.

O Governo quer integrar no Código da Publicidade 14 diplomas atualmente dispersos e atualizar disposições relativas a vários temas, entre os quais cigarros eletrónicos, publicidade testemunhal e publicidade institucional de empresas.

Outro dos objetivos passa por dar mais responsabilidades ao Banco de Portugal e à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários no que respeita à fiscalização da publicidade a produtos financeiros, para que estas entidades possam sancionar os infratores.

Leonardo Mathias quer também que seja possível divulgar os autores das infrações "com o objetivo de dissuadir determinados comportamentos" e promover a transparência.

Lusa

  • Polémica sobre offshore intensifica guerra de palavras entre PSD e Governo
    2:39
  • DGO divulga hoje execução orçamental de janeiro

    Economia

    A Direção-Geral do Orçamento (DGO) divulga hoje a síntese de execução orçamental em contas públicas de janeiro, sendo que o Governo estima reduzir o défice para 1,6% do Produto Interno Bruto (PIB) em contabilidade nacional em 2017.

  • Paulo Fonseca e Paulo Sousa fora da Liga Europa

    Liga Europa

    A segunda mão dos 16 avos-de-final da Liga Europa ficou marcada pelas eliminações de duas equipas treinadas por portugueses: a Fiorentina de Paulo Sousa e o Shakhtar Donetsk de Paulo Fonseca. Paulo Bento, no Olympiacos, e José Mourinho, no Manchester United, são os únicos técnicos lusos ainda em competição. Noutros jogos, destaque para os afastamentos do Tottenham e do Zenit. Veja aqui os resumos de todos os encontros desta noite europeia. O sorteio dos oitavos-de-final está agendado para esta sexta-feira, às 12h00, hora de Lisboa.

  • "Não preciso de ajustar contas com ninguém"
    0:49

    País

    O ex-Presidente da República insiste que José Sócrates foi desleal durante as negociações do Orçamento do Estado para 2011. Numa entrevista dada à RTP1, Cavaco Silva esclareceu ainda que não escreveu o livro de memórias para ajustar contas com o ex-primeiro-ministro.

  • Sócrates em processo judicial surpreende Cavaco
    0:18

    País

    Cavaco Silva afirmou ter ficado surpreendido com o envolvimento de José Sócrates num processo judicial. Em entrevista à RTP1 o ex-Presidente da República diz que nunca se apercebeu de qualquer "atuação legalmente menos correta" da parte de Sócrates.

  • PSD questiona funcionamento da Assembleia da República
    2:39

    Caso CGD

    O PSD e o CDS vão entregar esta sexta-feira no Parlamento o pedido para criar uma nova Comissão de Inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos. Os dois partidos reuniram-se esta quarta-feira para fechar o texto do requerimento. Durante o dia, o PSD considerou que o normal funcionamento da Assembleia da República está em causa, o que levou Ferro Rodrigues a defender-se e a garantir que está a ser imparcial.

  • Marcelo rejeita discussões menores na banca
    0:32

    Economia

    O Presidente da República avisa que não se devem introduzir querelas táticas e menores no sistema financeiro. Num encontro que reuniu publicamente Marcelo e Centeno, o Presidente diz que é preciso defender o interesse nacional.

  • Três dos planetas encontrados podem conter água e vida
    3:28
  • Túnel descoberto em cadeia brasileira tinha ligação a uma habitação
    0:44

    Mundo

    A polícia brasileira descobriu um túnel que ligava a cadeia de Porto Alegre a uma casa e serviria para libertar prisioneiros do estabelecimento. As autoridades detiveram sete homens e uma mulher no local. A construção permitiria uma fuga massiva que poderia chegar aos 200 mil fugitivos e estima-se que terá custado mais de 300 mil euros. A polícia do Rio Grande do Sul acredita, assim, ter impedido aquela que seria a maior fuga de prisioneiros de sempre no Estado brasileiro.