sicnot

Perfil

Economia

Pilotos da Lufthansa estendem greve até sexta-feira

A greve dos pilotos da Lufthansa, que na quarta-feira obrigou a companhia alemã a cancelar 750 voos, afeta hoje as operações de longo curso e estende-se na sexta-feira às ligações de pequeno e médio curso.

(Reuters/Arquivo)

(Reuters/Arquivo)

Este é um balanço hoje do sindicado alemão Cockpit, num dia em que a companhia anunciou o cancelamento de 43 entre e 85 voos intercontinentais. 

Os voos das filiais de baixo custo da principal companhia aérea alemã, a Germanwings e a Eurowings, não são afetados pela greve, refere a agência noticiosa espanhola Efe.

Dos 1.400 voos previstos com origem e destino para a Alemanha e resto da Europa, 750 foram anulados, dos quais oito relativos a Portugal, afetando 80.000 passageiros.

O sindicato Cockpit anunciou na quarta-feira à noite que a greve iria prosseguir na quinta-feira entre as 00:01 e as 23:59, apenas para os voos de longo curso e transporte de mercadorias.

Os pilotos contestam a alteração das condições para o fim de carreira e querem manter a possibilidade de passar à pré-reforma aos 55 anos, com 60% do salário.

Esta é a 12.ª paralisação dos pilotos daquela companhia desde abril do ano passado. 

A Lufthansa disse que o custo das greves no ano passado ascendeu a 232 milhões de euros.


Lusa
  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.