sicnot

Perfil

Economia

Portugal com a maior queda do custo de mão-de-obra na UE

O custo da mão-de-obra caiu 8,8% em Portugal no último trimestre de 2014, face ao mesmo período do ano anterior, no maior recuo entre os Estados-membros da União Europeia (UE), divulgou hoje o Eurostat.

Segundo os dados do gabinete oficial de estatísticas, entre outubro e dezembro de 2014, o preço por hora da mão-de-obra cresceu 1,1% na zona euro e 1,4% no total dos 28 países da UE, abaixo dos valores registados no terceiro trimestre.

Em Portugal, depois de o custo horário da mão-de-obra ter aumentado nos segundo e terceiro trimestre (3,2% e 0,5%, respetivamente), no quarto trimestre regressou às quedas e a recuar 8,8%, sendo mesmo a maior queda entre os parceiros europeus.

Desagregando os dados, houve um recuo dos salários e vencimentos de 9,7%, enquanto as despesas não salariais diminuíram 5,8%.

Além de Portugal, os países em que o custo da mão-de-obra caiu no quarto trimestre foram Chipre (2,2%), Croácia (0,5%), Itália (0,3) e Irlanda (0,1%).

Em sentido contrário, destaque para os aumentos deste índice na Roménia (7,9%), Estónia (6,5%), Letónia (6,1%), Lituânia (5,7%) e Eslováquia (5,1%).

O índice dos custos horários da mão-de-obra é um indicador conjuntural da evolução dos custos suportados pelos empregadores e é calculado dividindo o custo da mão-de-obra pelo número de horas trabalhadas.

Os dois principais componentes dos custos de trabalho são salários e outras despesas, como obrigações sociais a cargo do empregador.

Lusa

  • A menina síria que relata a guerra no Twitter está bem, diz o pai

    Mundo

    Bana Alabed, a menina síria de 7 anos que conta no Twitter a luta pela sobrevivência e os horrores da guerra em Alepo, teve de abandonar a sua casa que foi bombardeada mas está bem, disse hoje o seu pai à Agência France Press. A conta esteve fechada domingo, mas foi entretanto reativada e tem hoje uma nova publicação de Bana.

  • Parkinson pode ter início nos intestinos

    Mundo

    Um novo estudo científico vem revelar que a doença de Parkinson pode não estar apenas no cérebro. A doença pode ter início nos intestinos e mais tarde migrar para o cérebro.