sicnot

Perfil

Economia

Taxa de empregos disponíveis sobe para 1,6% na zona euro no 4.º trimestre de 2014

A taxa de empregos disponíveis na zona euro estabeleceu-se nos 1,8% no quarto trimestre de 2014, uma subida face aos 1,6% do período homólogo de 2103 e do trimestre anterior, divulga hoje o Eurostat.

No conjunto dos 28 Estados-membros, a taxa de empregos disponíveis foi de 1,7%, acima dos 1,5% do último trimestre de 2013 e dos 1,6% do terceiro trimestre de 2014.


Os dados do gabinete de estatísticas da União Europeia (UE) mostram ainda que Portugal teve, no último trimestre de 2014, a quarta menor taxa de disponibilidade de empregos (0,6%), a par da Croácia, Espanha e Eslovénia, países que são ultrapassados pelas Polónia (0,5%), Letónia (0,4%) e Chipre (0,3%).


Em Portugal, o indicador subiu na comparação com o período homólogo (0,4%), mas baixou face ao trimestre anterior (0,7%).


A Alemanha(3,2%), o Reino Unido (2,4%) e a Bélgica (1,9%) foram os Estados-membros com as mais elevadas taxas de empregos disponíveis, no período considerado.


Na zona euro, os setores dos serviços e da construção foram os que apresentaram as maiores taxas de empregos disponíveis (2,4% cada), enquanto a da indústria se fixou nos 1,1%.


Já na UE, o setor dos serviços apresentou, no último trimestre de 2014, taxas de empregos disponíveis de 2,2%, enquanto a indústria e a construção não foram além dos 1,1%.


A taxa de empregos disponíveis mede em percentagem a quantidade de novos postos de trabalho criados ou de vagas a abrir brevemente e para os quais o empregador deve procurar um candidato externo à empresa.


Lusa

 

  • Fogo em Setúbal dominado
    2:31

    País

    O incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal está dominado. As chamas chegaram a ameaçar as casas, o que obrigou à retirada de cerca de 500 pessoas das habitações, como medida de precaução. Também o Hotel do Sado teve de ser evacuado.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.