sicnot

Perfil

Economia

Conselho Europeu termina hoje com debate sobre situação económica

Os líderes europeus discutem hoje em Bruxelas a situação económica da União Europeia e a crise na Líbia, no segundo e último dia do Conselho Europeu.

(Lusa/ Arquivo)

(Lusa/ Arquivo)

Lusa

Na quinta-feira, os chefes de Estado e de Governo comprometeram-se em construir a União Energética e na manutenção das sanções económicas à Rússia até à completa implementação dos acordos de paz na Ucrânia, mas foi a situação da Grécia que dominou as atenções com uma minicimeira que entrou pela madrugada dentro, entre o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, e alguns dos líderes europeus, e que terminou com a Grécia a comprometer-se a apresentar reformas específicas.

Já hoje, o Conselho Europeu discutirá a situação económica da União Europeia, as reformas estruturais que os Estados-membros devem executar e também o Acordo Transatlântico de Comércio Livre (TTIP na sigla em inglês) que está a ser negociado com os Estados Unidos.

O presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi, estará presente no encontro.

A crise na Líbia também será abordada pelos líderes europeus, tendo em conta que o empenho da UE em encontrar uma solução política que permita estabilizar aquele país, assim como a situação da Tunísia, após o ataque terrorista a um museu em Tunes.

Portugal está representado nesta cimeira pelo primeiro-ministro, Passos Coelho.


Lusa
  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15