sicnot

Perfil

Economia

Alta dos preços e desvalorização do real afetam portugueses que vivem no Brasil

A atual situação económica brasileira, com estagnação do crescimento e aumento da inflação, está a afetar a rotina de portugueses que vivem no país, com aumento dos preços e a desvalorização da moeda local.

© Nacho Doce / Reuters

A grande maioria dos entrevistados pela Lusa, entretanto, não pensa em voltar a Portugal, porque possui emprego fixo, uma boa condição de vida ou estabilidade no Brasil, e o país natal ainda não recuperou dos efeitos da crise económica.

"Uma realidade com inflação oficial de 7%, e real superior a 10%, é algo que nunca experimentei em Portugal. Facilmente os preços de vários produtos, nomeadamente os alimentares, podem subir de uma semana para a outra", afirmou o gerente de vendas Júlio César Quintela, 35 anos, de Vila Nova de Gaia.

Quintela, que vive há dois anos em São Paulo, afirmou também que a desvalorização do real face ao euro e ao dólar atrapalha a constituição de uma poupança para o regresso a Portugal.

O empresário Pedro Miguel da Silva Aparício, 35 anos, é do Porto e atualmente possui uma escola de idiomas na cidade de Vinhedo, no interior de São Paulo. Migrou para o Brasil há pouco mais de três anos, e, atualmente, viu os seus gastos mensais aumentarem entre 20% e 25%.

"A população brasileira vive muito do crédito para consumir, e o mercado recuou (...). Quem quer estudar inglês e melhorar o seu currículo para ter melhores oportunidades, adia esse desejo por não ter condições financeiras", disse.

A empresária Ana Paula Sodré Costa Real, 53 anos, que vive há 14 anos no Brasil, na cidade de Campinas, interior de São Paulo, disse que gastos com a mulher a dias, refeições fora de casa e viagens longas foram cortados, e que passou a procurar ofertas em supermercados e a economizar.

"Tenho um pequeno comércio de roupas e diariamente tenho visto pequenos comerciantes como eu fecharem as portas", contou. 

Outros portugueses, entretanto, afirmaram que a atual situação do Brasil não atrapalha os seus negócios.

"Viver no Brasil é uma paixão, porque, com todas as dificuldades, temos trabalho. Em Portugal não se consegue fazer nada na minha idade e com pouco capital", afirmou o empresário Fernando Lopes Subtil, 67 anos, que mora em Fortaleza.

O agente imobiliário Jorge Grumete, 29 anos, afirmou que os clientes estrangeiros e brasileiros que arrendam imóveis de luxo em Mata de São João, na Baía, continuam a fechar negócios, mas criticou a subida dos preços de bens de consumo, da energia e do combustível. 

Também focado na área imobiliária, o economista José Macedo, 45 anos, realçou que a situação económica até ajuda o seu trabalho, pois incentiva o investimento em imóveis, considerado mais seguro em tempos de incertezas.

O professor universitário Manuel Portugal Ferreira, 44 anos e natural de Coimbra, realçou que, na sua área, é vantajoso viver no Brasil.

"Ainda ganhamos o dobro do que se ganha em Portugal. Há condições para ir a conferências, e uma atividade científica mais vibrante", concluiu o docente, que leciona para alunos de pós-graduação. 



Lusa
  • Bombeiros ficaram de prevenção após intoxicação em Corroios
    1:16

    País

    17 alunos da escola EB 2+3 em Corroios, no Seixal, foram hospitalizados esta segunda-feira com sintomas de intoxicação alimentar. Os alunos, entre os 7 e os 14 anos, foram transportados 12 para o hospital Garcia de Orta, em Almada e cinco para o hospital do Barreiro. O transporte foi feito pelos bombeiros voluntários da Amora e do Seixal mantiveram uma equipa de socorro no local apenas por prevenção.

  • "Nada mais há a dizer" sobre a Caixa
    0:13

    Caso CGD

    O primeiro-ministro voltou esta segunda-feira a dizer que já não há nada para discutir, na polémica sobre a entrega de declarações de património dos gestores da CGD. Foram as declarações de António Costa, na Cidade da Praia, à margem da quarta cimeira bilateral entre Portugal e Cabo Verde.

  • Venda do Novo Banco terá que ser negociada em Bruxelas
    0:43

    Economia

    A venda do Novo Banco vai ter que ser negociada com Bruxelas, uma vez que o Lone Star planeia agora ficar com 65% da instituição, obrigando o Estado a manter uma posição no banco. O ministro das Finanças lembra que esta também era uma possibilidade mas salienta que o assunto está nas mãos do Banco de Portugal.

  • Trump e os jornalistas: uma relação (su)rreal
    2:08
  • Modelo obrigada a prometer que não volta a arriscar a vida numa sessão fotográfica
    1:46