sicnot

Perfil

Economia

Alta dos preços e desvalorização do real afetam portugueses que vivem no Brasil

A atual situação económica brasileira, com estagnação do crescimento e aumento da inflação, está a afetar a rotina de portugueses que vivem no país, com aumento dos preços e a desvalorização da moeda local.

© Nacho Doce / Reuters

A grande maioria dos entrevistados pela Lusa, entretanto, não pensa em voltar a Portugal, porque possui emprego fixo, uma boa condição de vida ou estabilidade no Brasil, e o país natal ainda não recuperou dos efeitos da crise económica.

"Uma realidade com inflação oficial de 7%, e real superior a 10%, é algo que nunca experimentei em Portugal. Facilmente os preços de vários produtos, nomeadamente os alimentares, podem subir de uma semana para a outra", afirmou o gerente de vendas Júlio César Quintela, 35 anos, de Vila Nova de Gaia.

Quintela, que vive há dois anos em São Paulo, afirmou também que a desvalorização do real face ao euro e ao dólar atrapalha a constituição de uma poupança para o regresso a Portugal.

O empresário Pedro Miguel da Silva Aparício, 35 anos, é do Porto e atualmente possui uma escola de idiomas na cidade de Vinhedo, no interior de São Paulo. Migrou para o Brasil há pouco mais de três anos, e, atualmente, viu os seus gastos mensais aumentarem entre 20% e 25%.

"A população brasileira vive muito do crédito para consumir, e o mercado recuou (...). Quem quer estudar inglês e melhorar o seu currículo para ter melhores oportunidades, adia esse desejo por não ter condições financeiras", disse.

A empresária Ana Paula Sodré Costa Real, 53 anos, que vive há 14 anos no Brasil, na cidade de Campinas, interior de São Paulo, disse que gastos com a mulher a dias, refeições fora de casa e viagens longas foram cortados, e que passou a procurar ofertas em supermercados e a economizar.

"Tenho um pequeno comércio de roupas e diariamente tenho visto pequenos comerciantes como eu fecharem as portas", contou. 

Outros portugueses, entretanto, afirmaram que a atual situação do Brasil não atrapalha os seus negócios.

"Viver no Brasil é uma paixão, porque, com todas as dificuldades, temos trabalho. Em Portugal não se consegue fazer nada na minha idade e com pouco capital", afirmou o empresário Fernando Lopes Subtil, 67 anos, que mora em Fortaleza.

O agente imobiliário Jorge Grumete, 29 anos, afirmou que os clientes estrangeiros e brasileiros que arrendam imóveis de luxo em Mata de São João, na Baía, continuam a fechar negócios, mas criticou a subida dos preços de bens de consumo, da energia e do combustível. 

Também focado na área imobiliária, o economista José Macedo, 45 anos, realçou que a situação económica até ajuda o seu trabalho, pois incentiva o investimento em imóveis, considerado mais seguro em tempos de incertezas.

O professor universitário Manuel Portugal Ferreira, 44 anos e natural de Coimbra, realçou que, na sua área, é vantajoso viver no Brasil.

"Ainda ganhamos o dobro do que se ganha em Portugal. Há condições para ir a conferências, e uma atividade científica mais vibrante", concluiu o docente, que leciona para alunos de pós-graduação. 



Lusa
  • Samaris suspenso por três jogos

    Desporto

    O internacional grego do Benfica Samaris foi castigado com três jogos de suspensão pelo Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol, após ter sido instaurado um auto de flagrante delito por parte da Comissão de Instrutores.

    Em atualização

  • Costa de Metro de Odivelas para Lisboa para relembrar corrida entre burro e Ferrari
    2:55

    Autárquicas 2017

    António Costa começou hoje o dia de campanha em Odivelas, para uma viagem de Metro até Lisboa, em que recordou a célebre corrida entre um burro e um Ferrari que protagonizou em 1993 quando foi canditado do PS à Câmara de Loures. Foi nesta cidade, onde ontem à noite, que desferiu um violento ataque a Pedro Passos Coelho, acusando-o de transformar o PSD num partido que não é digno de um Estado democrático.

  • O aeroporto de Beja, um "elefante branco" na planície alentejana
    4:33
  • Paciente há 15 anos em estado vegetativo consegue seguir objetos e mexer a cabeça

    Mundo

    Um homem de 35 anos, que ficou em estado vegetativo após um acidente de viação há 15 anos, deu sinais de consciência depois de lhe ter sido aplicada uma nova técnica de estimulação nervosa. Cirurgiões implantaram no paciente um pequeno aparelho que estimula o nervo vago, responsável pela ligação nervosa entre o cérebro e o resto do corpo. A intervenção aconteceu em França e a descoberta foi publicada na revista científica Current Biology.