sicnot

Perfil

Economia

Merkel recebe Tsipras em Berlim com honras militares

A chanceler alemã, Angela Merkel, recebeu hoje em Berlim com honras militares o homólogo grego, Alexis Tsipras, na primeira visita à chancelaria alemã desde que assumiu a chefia do governo da Grécia, há dois meses.

© Pawel Kopczynski / Reuters

Perante dezenas de repórteres fotográficos e operadores de câmara, Merkel e Tsipras cumprimentaram-se sorridentes, antes de ouvirem os hinos nacionais dos dois países. 

Os dois chefes de governo iniciaram depois uma reunião, que deverá prolongar-se por duas horas, para falarem sobre os problemas de liquidez da Grécia e as reformas que Atenas terá de aplicar.

Após o encontro, Merkel e Tsipras vão dar uma conferência de imprensa conjunta, seguindo-se um jantar de trabalho.

A visita realiza-se a convite de Angela Merkel e ocorre dias depois do encontro que mantiveram em Bruxelas com o presidente francês, François Hollande, e os presidentes da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, do Banco Central Europeu, Mario Draghi, e do Eurogrupo, Jeroen Djisselbloem. 

Tsipras comprometeu-se na altura a apresentar nos próximos dias um programa detalhado de reformas.

Depois de notícias segundo as quais o primeiro-ministro grego iria apresentar algumas das medidas a Merkel, o porta-voz do governo alemão, Steffen Seibert, assegurou hoje que o encontro bilateral não concorre com nem substitui o Eurogrupo, fórum adequado à apresentação de tais medidas.

Numa carta enviada a Merkel em meados de março, divulgada hoje pelo Financial Times, Tsipras afirma que Atenas não poderá garantir o serviço da dívida que vence dentro de duas semanas se a União Europeia não libertar assistência financeira a curto prazo.

"Sendo um dado que a Grécia não tem acesso aos mercados financeiros e tendo em vista os 'picos' esperados dos nossos reembolsos de dívida na primavera e no verão (...) é claro que as restrições particulares do BCE [Banco Central europeu] combinadas com atrasos de transferências tornam impossível para qualquer Governo assegurar o serviço da sua dívida", explica Tsipras na carta. 

Tsipras vai permanecer em Berlim até terça-feira, dia em que gtem previsto reunir-se com os partidos da oposição Os Verdes e Die Linke ("A Esquerda").







Lusa
  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.