sicnot

Perfil

Economia

Exportações para o Japão subiram 3,1% em 2014

As exportações de bens portugueses para o Japão subiram 3,1% no ano passado, face a 2013, para 124,9 milhões de euros, enquanto as importações recuaram 8,3% para 251 milhões de euros, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE).

(Reuters/Arquivo)

(Reuters/Arquivo)

© Rafael Marchante / Reuters

No ano passado, o saldo da balança comercial entre Lisboa e Tóquio foi negativa para Portugal em 126,1 milhões de euros, de acordo com a mesma fonte.

 

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, visita o Japão entre quinta-feira e sábado, liderando uma comitiva que integra os ministros de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete, da Economia, António Pires de Lima, e do Ambiente, Ordenamento do Território e energia, Jorge Moreira da Silva, e o secretário de Estado da Energia, Artur Trindade.

 

Só no mês de janeiro, as exportações cresceram 35,2% para 14,1 milhões de euros, enquanto as importações recuaram 18,5% para 19,3 milhões de euros.

 

O Japão é o 35.º cliente de Portugal e o 29.º fornecedor.

 

Em 2013, havia 761 empresas portuguesas a exportarem para o Japão, mais 36 do que em 2012. De acordo com os dados do INE, as empresas exportadoras para o mercado nipónico têm vindo a crescer desde 2009.

 

Portugal é o 68.º cliente do Japão e ocupa o 66.º lugar enquanto fornecedor.

 

Em 2014, quase um quarto (23,5%) do total das vendas ao Japão diziam respeito a produtos alimentares, ascendendo a 29,4 milhões de euros, embora as exportações deste tipo de produtos tenha recuado 23,3% face a 2013.

 

Os tomates preparados ou conservados, exceto em vinagre ou em ácido acético, foram o principal produto exportado, com vendas de 22,7 milhões de euros no ano passado, representando um recuo de 8% face a 2013.

 

As exportações de químicos, com um peso de 17%, totalizaram 21,2 milhões de euros, um aumento de 25,9% face ao ano anterior, seguido das máquinas e aparelhos (peso 12,3%), cujas vendas ascenderam a 15,3 milhões de euros, mas recuaram 40%.

 

Em termos de bens importados, os veículos e outros materiais de transporte, máquinas e aparelhos e plásticos e borracha são os três grupos mais comprados por Portugal.

 

As compras de veículos e outros materiais de transporte, que representam mais de um terço (35,5%) do total das importações em 2014, subiram 13,8% para 89,2 milhões de euros, com as máquinas e aparelhos (32,4%) a totalizarem 81,4 milhões de euros, uma subida de 3%.

 

Já no segmento de plásticos e borracha, as importações (peso 10,7%) recuaram 6,3% para 26,8 milhões de euros.

 

No que respeita às exportações de serviços, segundo dados do Banco de Portugal, estas ascenderam a 48,6 milhões de euros no ano passado, uma descida de 8,1% face aos 52,8 milhões de euros registados em 2013.

 

As importações de serviços subiram 27,2% para 56,9 milhões de euros em igual período, com o saldo da balança comercial negativo para Portugal em 8,4 milhões de euros.

 

As receitas do turismo japonês em Portugal totalizaram 21,2 milhões de euros em 2014, uma subida de 40,9% face ao ano anterior.


Lusa

  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.