sicnot

Perfil

Economia

BCP vai vender até 15,41% do seu banco na Polónia

O BCP lançou uma colocação acelerada de até 186.979.631 ações ordinárias do polaco Bank Millennium, representativas de até 15,41% do capital social, foi hoje anunciado.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters

De acordo com a informação hoje comunicada à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), "a colocação irá permitir ao BCP reforçar a sua posição no capital e conservar uma participação maioritária na sociedade".

"O Banco Europeu para a Reconstrução e o Desenvolvimento (BERD) obteve as necessárias autorizações internas para participar na colocação e encontra-se a considerar um investimento de até 270 milhões de zlotys (cerca de 66 milhões de euros) para a aquisição de ações do Bank Millennium, representativas de até 3% do total do capital social da sociedade", refere o banco liderado por Nuno Amado.

A colocação é destinada apenas a determinados investidores institucionais elegíveis, sendo os termos finais determinados através de um processo de colocação acelerada.

A receção de ordens para a colocação tem efeito imediato e o preço e as alocações devem ser anunciados logo que possível, após a conclusão da colocação, refere o BCP.

A instituição diz ainda que, "enquanto acionista maioritário, o BCP continua plenamente comprometido com o Bank Millennium, que continua a ser fundamental no seu 'franchise' e na sua estratégia".

Neste contexto, "o BCP assumiu um compromisso de 'lockup' pelo prazo de 180 dias relativamente à alienação adicional de ações" do banco polaco.

O banco de investimento norte-americano JP Morgan é o coordenador global da operação, que conta ainda com o apoio do Dom Maklerski PKO Banku Polskiego e do Millennium Dom Maklerski.

Lusa
  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14