sicnot

Perfil

Economia

INE divulga hoje défice do ano passado

O INE divulga hoje o valor do défice de 2014 em contas nacionais, que o Governo estimou ficar nos 4,8% do PIB com medidas extraordinárias, tendo-se mostrado confiante com o cumprimento da meta fixada sem essas medidas, de 4%.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Yves Herman / Reuters

O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulga hoje as Contas Nacionais Trimestrais por Setor Institucional relativas ao quarto trimestre de 2014 e a primeira notificação do Procedimento de Défices Excessivos (PDE) a Bruxelas, nos quais é divulgado o valor final do défice do ano passado.

 

Em setembro, o Governo reportou a Bruxelas uma previsão do défice de 2014 de 4,8% do Produto Interno Bruto (PIB), em SEC2010 (o novo sistema europeu de contas), justificando o aumento face ao inicialmente previsto (4%) com a inclusão do financiamento do Estado à STCP e à Carris e do perdão do empréstimo ('write-off') que a Parvalorem detinha sobre o BPN Crédito.

 

No entanto, na altura, o executivo garantiu que o défice ficaria nos 4%, uma vez que estas medidas eram extraordinárias. Mais recentemente, a ministra das Finanças disse estar confortável de que esta meta será cumprida.

 

Por outro lado, as instituições nacionais e internacionais dividem-se: incluindo medidas pontuais, o Fundo Monetário Internacional (FMI) é a mais pessimista, antevendo que o défice orçamental tenha alcançado 5% do PIB em 2014, seguido da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), que antecipa um défice de 4,9%.

 

Pelo contrário, a Comissão Europeia é a que prevê um valor mais baixo do défice, de 4,6% do PIB, uma projeção próxima da da Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO), que estima um défice de 4,7% do PIB, também com medidas extraordinárias, mas sem contar com eventuais impactos da resolução do BES.

 

A UTAO alertou que esse impacto "dependerá do valor e da data em que se venha a concretizar a venda do Novo Banco", admitindo que possa "determinar um acréscimo do défice para o conjunto do ano em cerca de 2,8 pontos percentuais do PIB".

 

Também a Comissão Europeia, nas previsões de outono publicadas em novembro, tinha alertado que o défice orçamental de 2014 "pode ficar significativamente acima do esperado, caso os custos da resolução do Banco Espírito Santo (BES), contabilizados em 2,8% do PIB, venham a ser considerados para o aumento do défice pelas autoridades estatísticas".

 

Depois de o BES ter registado prejuízos de quase 3.600 milhões de euros no primeiro semestre de 2014, o Banco de Portugal decidiu, no início de agosto, aplicar uma medida de resolução ao banco: separou os ativos e passivos considerados não problemáticos e transferiu-os para um banco de transição (o Novo Banco) e os considerados tóxicos ficaram no chamado 'bad bank', que manteve o nome BES.

 

O Novo Banco foi capitalizado com 4.900 milhões de euros através do Fundo de Resolução Bancária. O Estado português entrou com 3.900 milhões de euros neste Fundo, financiados com o dinheiro da 'troika' que estava reservado à banca e que ainda não tinha sido utilizado.

 

No início de agosto, o INE disse não ter "informação estruturada suficiente" sobre a injeção de capital no Novo Banco nas contas públicas, adiantando que, como a operação ocorreu nesse mês, "o prazo final de análise e decisão do seu registo estatístico é o final do mês de dezembro, com a apresentação das Contas Trimestrais por Setor Institucional relativas ao terceiro trimestre de 2014".

 

A 28 de agosto, o Governo apresentou o segundo Orçamento Retificativo para 2014 e a ministra das Finanças reiterou a meta de 4% do défice orçamental sem medidas extraordinárias, mas admitiu que estas medidas valiam 5,9% do PIB ainda em SEC1995, o antigo sistema europeu de contas: 2,3% pela reclassificação da CP, 0,7% pela assunção da dívida da Carris e da STCP e 2,9% pela medida de resolução do BES.

 

Os números do INE são apresentados em contas nacionais, ou seja, na ótica dos compromissos, que é a que conta para Bruxelas.

 

Previsto no Tratado da União Europeia, o PDE obriga os Estados Membros a evitar défices excessivos nos seus orçamentos nacionais, sendo o valor de referência os 3% do PIB.

 

O Governo pretende que Portugal saia do PDE em 2015, estimando que o défice orçamental fique nos 2,7% do PIB este ano, acima do definido com os credores internacionais durante o resgate. No entanto, tanto Bruxelas como o FMI duvidam das estimativas do Executivo, projetando que o défice este ano fique acima dos 3% do PIB.

 

 Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.