sicnot

Perfil

Economia

INE divulga hoje défice do ano passado

O INE divulga hoje o valor do défice de 2014 em contas nacionais, que o Governo estimou ficar nos 4,8% do PIB com medidas extraordinárias, tendo-se mostrado confiante com o cumprimento da meta fixada sem essas medidas, de 4%.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Yves Herman / Reuters

O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulga hoje as Contas Nacionais Trimestrais por Setor Institucional relativas ao quarto trimestre de 2014 e a primeira notificação do Procedimento de Défices Excessivos (PDE) a Bruxelas, nos quais é divulgado o valor final do défice do ano passado.

 

Em setembro, o Governo reportou a Bruxelas uma previsão do défice de 2014 de 4,8% do Produto Interno Bruto (PIB), em SEC2010 (o novo sistema europeu de contas), justificando o aumento face ao inicialmente previsto (4%) com a inclusão do financiamento do Estado à STCP e à Carris e do perdão do empréstimo ('write-off') que a Parvalorem detinha sobre o BPN Crédito.

 

No entanto, na altura, o executivo garantiu que o défice ficaria nos 4%, uma vez que estas medidas eram extraordinárias. Mais recentemente, a ministra das Finanças disse estar confortável de que esta meta será cumprida.

 

Por outro lado, as instituições nacionais e internacionais dividem-se: incluindo medidas pontuais, o Fundo Monetário Internacional (FMI) é a mais pessimista, antevendo que o défice orçamental tenha alcançado 5% do PIB em 2014, seguido da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), que antecipa um défice de 4,9%.

 

Pelo contrário, a Comissão Europeia é a que prevê um valor mais baixo do défice, de 4,6% do PIB, uma projeção próxima da da Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO), que estima um défice de 4,7% do PIB, também com medidas extraordinárias, mas sem contar com eventuais impactos da resolução do BES.

 

A UTAO alertou que esse impacto "dependerá do valor e da data em que se venha a concretizar a venda do Novo Banco", admitindo que possa "determinar um acréscimo do défice para o conjunto do ano em cerca de 2,8 pontos percentuais do PIB".

 

Também a Comissão Europeia, nas previsões de outono publicadas em novembro, tinha alertado que o défice orçamental de 2014 "pode ficar significativamente acima do esperado, caso os custos da resolução do Banco Espírito Santo (BES), contabilizados em 2,8% do PIB, venham a ser considerados para o aumento do défice pelas autoridades estatísticas".

 

Depois de o BES ter registado prejuízos de quase 3.600 milhões de euros no primeiro semestre de 2014, o Banco de Portugal decidiu, no início de agosto, aplicar uma medida de resolução ao banco: separou os ativos e passivos considerados não problemáticos e transferiu-os para um banco de transição (o Novo Banco) e os considerados tóxicos ficaram no chamado 'bad bank', que manteve o nome BES.

 

O Novo Banco foi capitalizado com 4.900 milhões de euros através do Fundo de Resolução Bancária. O Estado português entrou com 3.900 milhões de euros neste Fundo, financiados com o dinheiro da 'troika' que estava reservado à banca e que ainda não tinha sido utilizado.

 

No início de agosto, o INE disse não ter "informação estruturada suficiente" sobre a injeção de capital no Novo Banco nas contas públicas, adiantando que, como a operação ocorreu nesse mês, "o prazo final de análise e decisão do seu registo estatístico é o final do mês de dezembro, com a apresentação das Contas Trimestrais por Setor Institucional relativas ao terceiro trimestre de 2014".

 

A 28 de agosto, o Governo apresentou o segundo Orçamento Retificativo para 2014 e a ministra das Finanças reiterou a meta de 4% do défice orçamental sem medidas extraordinárias, mas admitiu que estas medidas valiam 5,9% do PIB ainda em SEC1995, o antigo sistema europeu de contas: 2,3% pela reclassificação da CP, 0,7% pela assunção da dívida da Carris e da STCP e 2,9% pela medida de resolução do BES.

 

Os números do INE são apresentados em contas nacionais, ou seja, na ótica dos compromissos, que é a que conta para Bruxelas.

 

Previsto no Tratado da União Europeia, o PDE obriga os Estados Membros a evitar défices excessivos nos seus orçamentos nacionais, sendo o valor de referência os 3% do PIB.

 

O Governo pretende que Portugal saia do PDE em 2015, estimando que o défice orçamental fique nos 2,7% do PIB este ano, acima do definido com os credores internacionais durante o resgate. No entanto, tanto Bruxelas como o FMI duvidam das estimativas do Executivo, projetando que o défice este ano fique acima dos 3% do PIB.

 

 Lusa

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.