sicnot

Perfil

Economia

Passos Coelho não comenta relatório sobre lista VIP

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, recusou hoje comentar um relatório sobre a existência de uma lista VIP na Autoridade Tributária, reafirmando que a administração tributária portuguesa "merece uma grande confiança". 

© Hugo Correia / Reuters (Arquivo)

"Eu, no Parlamento, respondi com os elementos que tinha. Esse caso tem vindo a ser objeto um acompanhamento em Lisboa, eu não me quero referir a ele a partir de Tóquio, quero apenas reafirmar que a administração tributária portuguesa nos merece uma grande confiança", afirmou Passos Coelho.

 

O primeiro-ministro foi questionado acerca das garantias que deu no parlamento, em que recusou a existência dessa lista vip, segundo as informações de que dispunha e do relatório da direção de auditoria do 'fisco' avançado hoje pela revista Visão.

 

À saída da Universidade de Quioto, no início da sua visita de três dias ao Japão, Pedro Passos Coelho sublinhou apenas o "grande profissionalismo" da Autoridade Tributária.

 

"Não podemos confundir aspetos particulares que possam não ter corrido tão bem com aquilo que é um todo, a árvore, que representa a Autoridade Tributaria e Aduaneira", declarou aos jornalistas.

 

Sobre o relatório citado na Visão, ou sobre a confiança no secretário de Estados dos Assuntos Fiscais, Paulo Núncio, Passos Coelho recusou fazer quaisquer comentários a partir do Japão.

 

Segundo publica hoje a revista Visão, os serviços de auditoria interna da Autoridade Tributária (AT) confirmaram a existência de uma lista vip de contribuintes num relatório datado de 28 de novembro.

 

A investigação da revista refere que a ideia da criação da lista vip surgiu na sequência de notícias sobre dados fiscais do primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, na altura do denominado caso Tecnoforma.

 

As conclusões do relatório dos serviços de auditoria da AT foram despachadas por António Brigas Afonso, o anterior diretor-geral, que se demitiu na sequência das notícias sobre a lista vip, com a mensagem: "Visto com preocupação".

 

A Visão avança que foi o ex-subdiretor-geral da AT José Maria Pires, que também se demitiu na sequência do caso, que sancionou a criação da lista vip de contribuintes que lhe foi proposta pela área de segurança informática, liderada por José Manuel Morujão.

 

Entre as "medidas de controlo já implementadas", a área de segurança informática da AT "configura alertas que serão despoletados em caso de verificação de consulta ou alteração de dados de determinados contribuintes que, na ausência de melhor conceito, denominamos VIP, refere a proposta, citada pela revista.

 

A criação de um controlo informático para o "apuramento de eventuais responsabilidades disciplinares" dos trabalhadores do fisco mereceu o "parecer positivo" do diretor dos serviços de auditoria, Acácio Pinto, revela ainda a Visão, confirmando assim a informação avançada há duas semanas da existência da denominada lista VIP de contribuintes.

 

O secretário de Estado Paulo Núncio negou perentoriamente ter tido conhecimento ou sido informado da criação da lista VIP.


Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.