sicnot

Perfil

Economia

Alemanha vai precisar de meio milhão de imigrantes por ano

A economia alemã vai precisar de mais de meio milhão de imigrantes por ano para satisfazer as necessidades de mão-de-obra, de acordo com um estudo do Instituto do Mercado laboral pedido pela Fundação Bertelsmann.

© Michaela Rehle / Reuters

Os números da imigração devem atingir anualmente as 533 mil pessoas para que sejam colmatadas as necessidades provocadas pela reforma dos trabalhadores alemães nascidos nas décadas de 1950 e 1960.

Em 2014, a Alemanha aproximou-se do número pretendido, pois recebeu 470 mil pessoas, mas nos últimos 60 anos a média anual de imigrantes não ultrapassou os 200 mil anuais.

O estudo alemão calcula que, sem imigração, o número de pessoas com idade para trabalhar registe até 2050 uma baixa de 36 por cento, o que significa um decréscimo de 29 milhões de pessoas dos 45 milhões que se encontram no ativo atualmente.

As falhas de mão-de-obra, segundo a mesma investigação, não se podem resolver apenas com o aumento do número de mulheres no mercado de trabalho, nem sequer com o aumento da idade da reforma.

O estudo sublinha que mesmo que o número de mulheres venha a ser igual ao dos homens no mercado de trabalho e que a idade de reforma venha a ser dilatada para os 70 anos, o aumento só atingiria os 4,4 milhões de pessoas com idade para trabalhar em 2050.

A redução da população em toda a Europa e a recuperação económica em países afetados pela crise fazem com que venha a diminuir a probabilidade de novos imigrantes oriundos de outros países europeus interessados no mercado de trabalho alemão.

Lusa

  • Acordo de concertação social assinado por todos os parceiros

    Economia

    Está assinado o acordo da Concertação Social que estipula a descida da TSU para as empresas como contrapartida do aumento do salário mínimo. Ao contrário do que é habitual, o momento não foi assinalado na sede do Conselho Económico e Social (CES), mas as assinaturas foram divulgadas no Twitter.

  • Oposição diz que défice abaixo dos 2,3% se deve ao aumento de impostos
    2:24

    Economia

    O défice de 2016 vai ficar abaixo dos 2,3%, uma garantia dada pelo primeiro-ministro durante o debate quinzenal desta terça-feira. A oposição diz que o resultado é bom para o país mas que se deve a um aumento de impostos, feito pelo Governo no ano passado, e ao trabalho do PSD e do CDS nos anos anteriores.