sicnot

Perfil

Economia

PR dedica jornada do Roteiro ao têxtil e ao vestuário

O Presidente da República realiza hoje, em Barcelos e Famalicão, a quarta jornada do Roteiro para uma Economia Dinâmica, dedicada à indústria têxtil e vestuário, setor que depois da crise conseguiu "dar a volta por cima".

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

"Depois das tormentas, o ano de 2014 foi o melhor dos últimos 11 nas exportações do setor", afirmou fonte da Presidência da República.

 

Nesta quarta jornada, o chefe de Estado, Aníbal Cavaco Silva, irá visitar a Impetus, a Scoop e a Riopele, empresas com histórias e modelos de negócios diferentes, mas que são neste momento casos de sucesso.

 

Segundo dados fornecidos pela Presidência da República, a Riopele é das três a que apresenta o maior volume de negócios (71 milhões de euros em 2013), emprega mais de mil trabalhadores e é uma das grandes exportadoras nacionais.

 

Com pouco mais de 40 anos, a Impetus está especialmente vocacionada para a roupa interior e tinha em 2013 cerca de 700 trabalhadores e apresentou em 2012 um volume de negócios de 30 milhões de euros.

 

A Scoop foi criada em 1991 e hoje em dia a sua produção está especialmente vocacionada para o desenvolvimento de artigos de desporto, com especialização em áreas como o 'running', 'fitness', 'skiwear' e 'underwear' para grandes marcas, como a Tommy Hilfiger e a Rossignol. Com cerca de 70 trabalhadores, 90% dos quais mulheres, a Scoop exporta 100% da sua produção e no ano passado apresentou um volume de negócios na ordem dos sete milhões de euros.

 

Além destas empresas, Cavaco Silva irá ainda visitar o CeNTI - Centro de Nanotecnologia e Materiais Técnicos, Funcionais e Inteligentes e o CITEVE - Centro Tecnológico Têxtil e Vestuário, ambos em Vila Nova de Famalicão.

 

A terminar, o Presidente da República participará numa sessão de homenagem à indústria têxtil.

 

Lusa

  • As mulheres na clandestinidade durante o Estado Novo
    7:32

    País

    Não se sabe quantas mulheres portuguesas viveram na clandestinidade durante o Estado Novo, mas estiveram sempre lado a lado com os homens que trabalhavam para o Partido Comunista na luta contra a ditadura. Aceitavam serem separadas dos filhos e mudarem de identidade várias vezes ao longo dos anos. A história de algumas destas mulheres estão agora reunidas num livro que acaba de ser lançado.