sicnot

Perfil

Economia

Entrega de IRS em papel diminui em 2015, com entregas por internet a aumentarem

Os trabalhadores dependentes e os pensionistas estão a utilizar cada vez mais a internet para entregar as declarações de IRS, com as entregas em papel a voltarem a cair em 2015, segundo o Ministério das Finanças. 

Os dados divulgados hoje pelo ministério liderado por Maria Luís Albuquerque mostram que a entrega em papel das declarações de IRS referentes aos rendimentos de 2014, mas entregues este ano, que termina hoje, caiu 11% em comparação com a data homóloga do ano anterior, passando dos 474.597 contribuintes em 2014 para 420.774 em 2015.

A opção pela entrega através da internet, que se inicia quarta-feira, 1 de abril, foi disponibilizada este ano mais cedo, segundo as Finanças, propriamente a 26 de março, pelo que já foram entregues através deste meio 52.893 declarações, quando no período homólogo, este valor atingiu as 28.606 declarações

A primeira fase de entrega, que começou no início de março e termina hoje, aplica-se à entrega em papel das declarações de Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Singulares (IRS) dos sujeitos passivos com rendimentos das categorias A (trabalhado dependente) e H (pensionistas).

Estes contribuintes têm agora mais um mês, até dia 30 de abril, para entregar as declarações de IRS através do Portal das Finanças na Internet, em www.portaldasfinancas.gov.pt. 

Já os trabalhadores que aufiram rendimentos de outras categorias, como a B (correspondente ao trabalho independente), têm até ao final de abril para entregar as declarações relativas ao ano passado em papel e até 31 de maio para as enviar através do Portal das Finanças.

Os calendários de entrega de declarações do IRS estão disponíveis na página da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) na Internet.

Lusa

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".