sicnot

Perfil

Economia

Entrega de IRS em papel diminui em 2015, com entregas por internet a aumentarem

Os trabalhadores dependentes e os pensionistas estão a utilizar cada vez mais a internet para entregar as declarações de IRS, com as entregas em papel a voltarem a cair em 2015, segundo o Ministério das Finanças. 

Os dados divulgados hoje pelo ministério liderado por Maria Luís Albuquerque mostram que a entrega em papel das declarações de IRS referentes aos rendimentos de 2014, mas entregues este ano, que termina hoje, caiu 11% em comparação com a data homóloga do ano anterior, passando dos 474.597 contribuintes em 2014 para 420.774 em 2015.

A opção pela entrega através da internet, que se inicia quarta-feira, 1 de abril, foi disponibilizada este ano mais cedo, segundo as Finanças, propriamente a 26 de março, pelo que já foram entregues através deste meio 52.893 declarações, quando no período homólogo, este valor atingiu as 28.606 declarações

A primeira fase de entrega, que começou no início de março e termina hoje, aplica-se à entrega em papel das declarações de Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Singulares (IRS) dos sujeitos passivos com rendimentos das categorias A (trabalhado dependente) e H (pensionistas).

Estes contribuintes têm agora mais um mês, até dia 30 de abril, para entregar as declarações de IRS através do Portal das Finanças na Internet, em www.portaldasfinancas.gov.pt. 

Já os trabalhadores que aufiram rendimentos de outras categorias, como a B (correspondente ao trabalho independente), têm até ao final de abril para entregar as declarações relativas ao ano passado em papel e até 31 de maio para as enviar através do Portal das Finanças.

Os calendários de entrega de declarações do IRS estão disponíveis na página da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) na Internet.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.