sicnot

Perfil

Economia

O primeiro gin tinto do mundo é de Valença

O primeiro gin tinto do mundo, produzido por um empresa de Valença, começou hoje a ser distribuído para o mercado nacional. E 600 das cinco mil primeiras garrafas do Tinto Gin Premium seguem para Angola.

Tinto Gin Premium/Facebook

"Vamos carregar a primeira palete para Angola e vamos entregar hoje aos distribuidores nacionais. Foi um processo um bocado acelerado porque o mercado da Bélgica e França estava a fazer uma pressão muito grande", afirmou à Lusa João Guterres.

O empresário adiantou que aquele produto "cumpre as regras exigidas para este tipo de bebidas" e que os primeiros cinco mil litros que produziu "estão todos vendidos", com um preço de 29.80 euros.

"Se vender 15 mil garrafas este ano já vou ficar contente", disse, adiantando que já tem " ingredientes em maceração para poder produzir mais cinco mil litros".

Ligado ao sector há 50 anos, João Guterres, de 63 anos de idade, adiantou que a ideia de produzir um gin tinto começou há cerca de um ano e meio.

"Comecei a recolher frutos e plantas aromáticas de Valença e comecei a fazer experiências", explicou o empresário que também lidera a Confraria da Lampreia do rio Minho.

Para produzir o novo gin utilizou as instalações de uma empresa de Valença, licenciada para a produção de vinho e investiu na aquisição da matéria prima.

A produção da nova bebida implicou, nesta fase, a criação de dois novos postos de trabalho.

Além de deter uma empresa de distribuição de bebidas e de possuir "alguma formação em destilação", João Guterres adiantou que a "forte" ligação que tem com a gastronomia e os produtos endógenos da região foram decisivos no processo de criação da nova bebida.

"O mundo das bebidas fascina-me. A minha empresa foi pioneira a trazer gin da Galiza para Portugal e para os países de língua oficial portuguesa. Um dia comecei a fazer experiências e é como na gastronomia. Neste caso a base é o álcool e depois é tudo criatividade", disse.

O novo gin tem 14 ingredientes, entre eles, o aneto, loureiro, nevêda, folha de salgueiro, flor de sabugueiro, ervas de São Roberto, erva cidreira, Lúcia Lima, folha de eucalipto, o alecrim, alfazema, e o cítrico da casca da laranja verde, papoilas e amoras silvestres e perico, um fruto típico de Valença. 

"É um gin muito peculiar e muito mais afrutado. É um gin que apaixona mesmo as pessoas que normalmente não gostam. Pode ser servido como aperitivo ou digestivo", explicou.

Apesar das várias provas que promoveu, João Guterres vai fazer a apresentação pública do Tinto Gin Premium no próximo dia 23 de abril em Valença.

"Foi em Valença que ele nasceu e é em Valença que tem que se dado a conhecer ao mundo", afirmou.



Lusa
  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Salah Abdeslam deixa cadeira vazia na leitura da sua sentença
    2:05

    Mundo

    O único suspeito vivo dos ataques de Paris em 2015 foi esta segunda-feira condenado a 20 anos de prisão por um tribunal belga, num processo paralelo: um tiroteio em março de 2016, em Bruxelas. Tanto Salah Abdeslam como o cúmplice não quiseram estar na leitura da sentença. O julgamento de Salah Abdeslam pelos ataques de Paris só deverá acontecer no próximo ano, em França.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.