sicnot

Perfil

Economia

Multinacionais fogem a impostos na Grécia graças a paraísos fiscais na UE

Multinacionais a operarem na Grécia escapam ao fisco graças à domiciliação em países europeus com fiscalidade que lhe é mais benéfica, denunciou quarta-feira a organização não-governamental holandesa SOMO em relatório, que também mencionou Portugal no documento.

© Kostas Tsironis / Reuters

"Uma análise das posições bilaterais de investimento da Grécia mostra que os Países Baixos, tal como o Luxemburgo e o Chipre, são utilizados como paraísos fiscais para as empresas a operar na Grécia", assegurou a ONG, que apresentou o relatório em Atenas. 


O texto apoia-se sobre uma análise dos investimentos diretos no estrangeiro, os quais mostram que no caso da Grécia, mas também no da Itália, da Espanha e de Portugal, a designada otimização fiscal, através de outros Estados membros da União Europeia, "amplificou-se desde o início da crise em 2007, para evitar as subidas de imposto que pretendiam reduzir os défices públicos dos Estados".  


Em relação aos Países Baixos, com um regime fiscalmente vantajoso para as 'holdings' (sociedades de controlo de grupos de empresas), "cerca de 80% dos investimentos diretos" deste país dirigidos para a Grécia passam por simples "apartados postais", isto é, empresas sem atividade real, segundo a SOMO, que se baseou em dados do Fundo Monetário Internacional e da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico.  


A SOMO exemplifica o argumento com uma sociedade canadiana de mineração, a Eldorado Gold, que dirige um projeto de exploração mineira, de extração de ouro, no norte, perto de Tessalónica.


Todas as filiais da companhia nos Países Baixos, "ligadas ao paraíso fiscal da Barbuda", não têm empregados, "exceto uma", apesar de terem ativos de dois mil milhões de euros. 


As suas práticas fiscais permitiram-lhe não pagar 1,7 mil milhões de euros ao fisco grego em cinco anos, segundo o documento. 


Esta informação deveria criar nos Estados envolvidos "um sentimento de urgência", mais a mais quando decidem e aplicam políticas de austeridade draconianas para procurar equilibrar as suas finanças públicas, comentou a ONG.


Ao apresentar o documento, uma das dirigentes da SOMO, Eva Joly, afirmou: "Chamar a isto hipocrisia é ser moderado. É altura de os cidadãos holandeses perceberem que o seu governo tem defendido, desde há décadas, este tipo de roubo à escala industrial". 


Lusa
  • Merkel continua à espera que Grécia entregue lista de reformas
    0:38

    Economia

    A Chanceler alemã diz que continua à espera que a Grécia apresente as reformas às instituições internacionais, para depois poder avaliá-las com os parceiros europeus. Numa visita à Finlândia, Angela Merkel avisou o Governo de Tsipras que pode haver mudanças ao que foi acordado com a troika, mas que o caminho do ajustamento tem de manter-se.

  • Primeiro-ministro grego garante honestidade na negociação
    0:54

    Economia

    O primeiro-ministro grego garante que é com honestidade que a Grécia negoceia com os credores, mas não será a qualquer preço que fará um acordo incondicional em troca da ajuda financeira. Alex Tsipras disse ainda ontem no Parlamento de Atenas que é preciso reestruturar a dívida pública da Grécia.

  • Desbloqueio de ajuda financeira à Grécia não deve acontecer antes de 9 de abril
    3:01

    Crise na Grécia

    A Grécia tenta ultrapassar o impasse nas negociações com os credores e receber o dinheiro da ajuda financeira o quanto antes. De acordo com uma informação transmitida à SIC por fonte europeia, não é provável que antes de 9 de abril, data do vencimento do empréstimo, sejam desbloqueadas verbas para Atenas. O grupo de trabalho de técnicos do Eurogrupo reuniu-se esta quarta-feira para discutir a lista de reformas. O Governo grego enviou um novo documento atualizado de medidas com que espera obter mais receitas.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.