sicnot

Perfil

Economia

Passos Coelho salienta que Silva Lopes dedicou a vida a Portugal

O primeiro-ministro lamentou esta quinta-feira a morte de José Silva Lopes, salientando que o economista dedicou a vida a Portugal, "servindo com dignidade e integridade nos mais destacados cargos" da Administração Pública, da banca e da política.

Ministro das Finanças, governador do Banco de Portugal, administrador do Banco Europeu para a Reconstrução e o Desenvolvimento (BERD), representante de Portugal junto do Banco Mundial ou presidente do Conselho Económico e Social foram alguns dos cargos desempenhados por Silva Lopes. (Arquivo)

Ministro das Finanças, governador do Banco de Portugal, administrador do Banco Europeu para a Reconstrução e o Desenvolvimento (BERD), representante de Portugal junto do Banco Mundial ou presidente do Conselho Económico e Social foram alguns dos cargos desempenhados por Silva Lopes. (Arquivo)

SIC

"O Dr. Silva Lopes pautou sempre a sua intervenção pela isenção e correção nas inúmeras atividades profissionais e cívicas a que esteve ligado ao longo de muitos anos", afirma Pedro Passos Coelho, numa nota sobre a morte do ex-ministro das Finanças e antigo governador do Banco de Portugal (1975-1980). 

Passos Coelho refere ter recebido "com profunda tristeza" a notícia da morte de Silva Lopes, hoje, aos 82 anos, que descreve como "um homem com enorme prestígio na economia e finanças".

O chefe do Governo destaca também que Silva Lopes foi "agraciado pelas mais altas condecorações do país, em reconhecimento" da sua dedicação e do "relevante testemunho e do exemplo" que deixou.

"À família enlutada e aos seus amigos, dirijo as minhas mais sentidas condolências", acrescenta Pedro Passos Coelho.
Lusa
  • Atacantes usaram "tática defendida pelos extremistas do Daesh"
    1:43

    Ataque em Barcelona

    O ex-presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo esteve em direto, para a SIC Notícias, onde falou sobre o ataque desta quinta-feira nas Ramblas, em Barcelona. José Manuel Anes falou na tática defendida na revista dos extremistas do Daesh e que foi usada neste ataque: a utilização de viaturas "de preferência as mais pesadas para matar o maior número de pessoas".