sicnot

Perfil

Economia

Paul Krugman refere-se à morte de José Silva Lopes como uma triste notícia

"Tristes notícias", foi assim que o economista norte-americano e prémio Nobel da Economia Paul Krugman começou um texto, que colocou no seu blogue, sobre a morte de José da Silva Lopes. 

© Brendan McDermid / Reuters

"Conheci Silva Lopes em 1976, quando integrei um grupo de estudantes do MIT, que passou o verão a trabalhar no Banco de Portugal, do qual era governador na altura", recorda Krugman.

"Trabalhar com Silva Lopes foi um dos principais acontecimentos" da estada em Portugal, acrescentou. 

No seu texto, que intitulou "José da Silva Lopes RIP" (iniciais de "Descanse em Paz", em inglês e latim), Krugman descreve Silva Lopes como "um economista e governante português que desempenhou um papel crucial na condução do seu país para a comunidade da Europa democrática". 

Vista a estadia em 1976 com os olhos de agora, Krugman admite que então Silva Lopes deve ter ficado "horrorizado ao tentar lidar com estudantes grosseiros, ao mesmo tempo que procurava enfrentar o caos de um sistema político instável, que o continua a ser, mas mostrando um bom humor e uma inteligência inesgotável". 

Depois de recordar vários episódios divertidos, passados com Silva Lopes em 1976, Krugman confessa ter-se sentido "honrado e encantado" por o ter revisto quando foi doutorado por três universidades lisboetas, em 2012, altura em que ouviu o seu discurso: "Se o lerem, verão que foi tão profundo, e bem-humorado, como sempre".

O Prémio Nobel considerou que "o mundo perdeu um grande, bom e incrivelmente amável homem". 

Ministro das Finanças, governador do Banco de Portugal, administrador do Banco Europeu para a Reconstrução e o Desenvolvimento (BERD), representante de Portugal junto do Banco Mundial ou presidente do Conselho Económico e Social foram alguns dos cargos desempenhados por Silva Lopes.




Lusa
  • Cessar-fogo de 30 dias na Síria
    2:07

    Mundo

    O Conselho de Segurança das Nações Unidas chegou este sábado a acordo sobre o cessar-fogo na Síria, depois de três dias de intensas negociações para evitar o veto da Rússia. As tréguas vão durar 30 dias e permitir a entrada de ajuda humanitária em Ghouta Oriental, a região mais atingida pela guerra na Síria, nesta altura. Em apenas sete dias, os bombardeamentos do regime fizeram mais de 500 mortos.

  • Portugueses e espanhóis protestam em Salamanca contra mina de urânio
    0:38

    País

    O Bloco de esquerda desafia o Governo português a exigir às autoridades espanholas uma avaliação do impacto ambiental da mina de urânio a 40 quilómetros da fronteira portuguesa. Este caso está gerar contestação entre os ambientalistas. Várias associações portuguesas participaram este sábado numa manifestação em Salamanca. A Quercus diz-se preocupada com o impacto da mina de urânio no território português.

  • PS e PSD querem acordo sobre fundos e descentralização até ao verão
    3:07
  • Assalto a Tancos e roubo de armas da PSP podem estar relacionados
    1:24

    País

    O assalto a Tancos e o roubo de três armas da PSP, recuperadas na semana passada, podem estar relacionados. O semanário Expresso avança hoje que há suspeitos de terem participado nos dois assaltos e o grupo, ou parte dele, atua principalmente do Algarve, com possíveis ligações a outras organizações espalhadas pelo país ou até transacionais.

  • As gravações que provam que as autoridades conheciam o perfil violento de Nikolas Cruz
    1:35