sicnot

Perfil

Economia

Grupo Lena constrói cidade nos arredores de Caracas

galeria de fotos

Uma nova cidade está a nascer em Ocumare, um município a 60 quilómetros de Caracas, pelas mãos do grupo Lena, de Leiria, que conseguiu um contrato para a construção de 50 mil casas.

Bairro de Ocumare construído pelo Grupo Lena, empresa portuguesa que ao abrigo de uma convenção entre os governos de Venezuela e de Portugal, que está a construir casas para habitação social no âmbito do programa "Gran Mission Vivenda", Caracas, 6 de abril de 2015. Para já são 40 mil casas, muitas vão estar prontas para o presidente Maduro inaugurar antes das eleições no final do ano. A "Gran Mission Vivenda" é um grande trunfo eleitoral sendo um programa que fez do Grupo Lena um dos maiores exportadores de Portugal.

Bairro de Ocumare construído pelo Grupo Lena, empresa portuguesa que ao abrigo de uma convenção entre os governos de Venezuela e de Portugal, que está a construir casas para habitação social no âmbito do programa "Gran Mission Vivenda", Caracas, 6 de abril de 2015. Para já são 40 mil casas, muitas vão estar prontas para o presidente Maduro inaugurar antes das eleições no final do ano. A "Gran Mission Vivenda" é um grande trunfo eleitoral sendo um programa que fez do Grupo Lena um dos maiores exportadores de Portugal.

PAULO CUNHA

PAULO CUNHA

PAULO CUNHA

PAULO CUNHA

PAULO CUNHA

PAULO CUNHA

PAULO CUNHA

Aproveitando a oportunidade criada pela política de apoio social aos mais pobres do Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, o grupo Lena conseguiu um contrato milionário e vai continuar nos próximos anos na Venezuela a construir casas e mais casas.


O défice habitacional do país é enorme, assim como os índices de pobreza, que têm vindo a reduzir mas continuam muito elevados.


O Governo "chavista" de Maduro propôs-se atribuir aos mais pobres dois milhões de casas até 2017, um plano ambicioso, para o qual o Grupo Lena está a contribuir com a construção de milhares de apartamentos.


Dois milhões de casas significam cerca de 10 milhões de pessoas, o que representa um terço da população.


O projeto, lançado ainda durante a presidência de Hugo Chávez, em 2011, "Gran Missión Vivienda Venezuela", constitui assim um dos principais trunfos eleitorais do Governo socialista de Nicolás Maduro.


A empresa de Leiria organizou um sistema que lhe permite prosseguir a construção dos apartamentos quase totalmente independente das inacreditáveis flutuações dos preços de mercado que caracterizam o país nos últimos tempos.


Construiu duas fábricas que produzem os painéis das paredes. Tudo o resto resulta de matérias-primas que chegam a Caracas através de transporte marítimo, todas elas oriundas de Portugal.


Estruturas metálicas, cozinhas, os vidros das janelas, os alumínios, as tubagens, o ferro para as malhas das cofragens, todas as toneladas de material que estão a ser usadas na construção destes prédios representam exportações portuguesas.


Numa das zonas do núcleo habitacional já estão instaladas 600 famílias (mais de duas mil pessoas), a entrega das chaves foi feita em novembro.


A grande maioria das famílias que ali vive é proveniente de bairros pobres, algumas até estavam no centro de Caracas, no mal-afamado arranha-céus Torre David, onde ainda permanecem 300 famílias.


Rebecca mora no piso 4 de um dos blocos. Está sozinha porque o marido foi trabalhar. Vive ali desde novembro, tendo deixado o apartamento improvisado no piso 12 da Torre David. Agora vai lá visitar a irmã e a mãe quando pode, aos fins de semana.


Não quis desperdiçar a oportunidade de ganhar uma casa oferecida pelo Estado, embora a distância da família a entristeça um pouco.


Gosta da casa, mas queixa-se da distância de Ocumare para Caracas e da temperatura: "Isto é muito quente", diz. A mãe e a irmã, que continuam a viver na Torre David, aguardam a entrega de casa, mas estas dizem que só aceitam a oferta do Governo se for em Caracas, não querem ir viver para longe.


A equipa de reportagem da Lusa encontrou a irmã de Rebeca no piso 12 da Torre David. Trabalha numa fábrica de moldes para a indústria panificadora. Ainda não se sabe o que vai acontecer a esta pequena unidade industrial, com cerca de 20 funcionários quando, no final do ano, a torre for toda evacuada.


A "peluquera" (cabeleireira) Keilla tem 50 anos, já tem tudo arrumado na sua sala. O espelho, o lavatório a cadeira e o secador e todos os acessórios. À porta de casa já lá está o anúncio, reconhecendo que o negócio não vai bem.


Keilla viveu seis anos na Torre David, em Caracas, no piso 12, onde tinha muitos clientes. Em Ocumare ainda vive pouca gente e o negócio "está fraco".


Ainda este ano, provavelmente antes das eleições gerais preanunciadas para dezembro, representantes do Governo de Nicolás Maduro viajarão a Ocumare para inaugurar mais uns milhares de apartamentos.


LusaAproveitando a oportunidade criada pela política de apoio social aos mais pobres do Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, o grupo Lena conseguiu um contrato milionário e vai continuar nos próximos anos na Venezuela a construir casas e mais casas.

O défice habitacional do país é enorme, assim como os índices de pobreza, que têm vindo a reduzir mas continuam muito elevados.

O Governo "chavista" de Maduro propôs-se atribuir aos mais pobres dois milhões de casas até 2017, um plano ambicioso, para o qual o Grupo Lena está a contribuir com a construção de milhares de apartamentos.

Dois milhões de casas significam cerca de 10 milhões de pessoas, o que representa um terço da população.

O projeto, lançado ainda durante a presidência de Hugo Chávez, em 2011, "Gran Missión Vivienda Venezuela", constitui assim um dos principais trunfos eleitorais do Governo socialista de Nicolás Maduro.

A empresa de Leiria organizou um sistema que lhe permite prosseguir a construção dos apartamentos quase totalmente independente das inacreditáveis flutuações dos preços de mercado que caracterizam o país nos últimos tempos.

Construiu duas fábricas que produzem os painéis das paredes. Tudo o resto resulta de matérias-primas que chegam a Caracas através de transporte marítimo, todas elas oriundas de Portugal.

Estruturas metálicas, cozinhas, os vidros das janelas, os alumínios, as tubagens, o ferro para as malhas das cofragens, todas as toneladas de material que estão a ser usadas na construção destes prédios representam exportações portuguesas.

Numa das zonas do núcleo habitacional já estão instaladas 600 famílias (mais de duas mil pessoas), a entrega das chaves foi feita em novembro.

A grande maioria das famílias que ali vive é proveniente de bairros pobres, algumas até estavam no centro de Caracas, no mal-afamado arranha-céus Torre David, onde ainda permanecem 300 famílias.

Rebecca mora no piso 4 de um dos blocos. Está sozinha porque o marido foi trabalhar. Vive ali desde novembro, tendo deixado o apartamento improvisado no piso 12 da Torre David. Agora vai lá visitar a irmã e a mãe quando pode, aos fins de semana.

Não quis desperdiçar a oportunidade de ganhar uma casa oferecida pelo Estado, embora a distância da família a entristeça um pouco.

Gosta da casa, mas queixa-se da distância de Ocumare para Caracas e da temperatura: "Isto é muito quente", diz. A mãe e a irmã, que continuam a viver na Torre David, aguardam a entrega de casa, mas estas dizem que só aceitam a oferta do Governo se for em Caracas, não querem ir viver para longe.

A equipa de reportagem da Lusa encontrou a irmã de Rebeca no piso 12 da Torre David. Trabalha numa fábrica de moldes para a indústria panificadora. Ainda não se sabe o que vai acontecer a esta pequena unidade industrial, com cerca de 20 funcionários quando, no final do ano, a torre for toda evacuada.

A "peluquera" (cabeleireira) Keilla tem 50 anos, já tem tudo arrumado na sua sala. O espelho, o lavatório a cadeira e o secador e todos os acessórios. À porta de casa já lá está o anúncio, reconhecendo que o negócio não vai bem.

Keilla viveu seis anos na Torre David, em Caracas, no piso 12, onde tinha muitos clientes. Em Ocumare ainda vive pouca gente e o negócio "está fraco".

Ainda este ano, provavelmente antes das eleições gerais preanunciadas para dezembro, representantes do Governo de Nicolás Maduro viajarão a Ocumare para inaugurar mais uns milhares de apartamentos.


Lusa
  • Manuel Pinho suspeito de quatro offshores e pelo menos 1M€ em luvas do GES
    1:31
  • Fim de semana de chuva, trovoada e granizo
    0:50

    País

    O mau tempo está de regresso este fim de semana, sobretudo no sul do continente e na Madeira. Esta manhã, Faro acordou com uma chuva intensa de granizo, com quedas de árvores e pequenas inundações.

  • As imagens do granizo que caiu no Algarve
    0:47

    País

    Faro acordou hoje com uma intensa queda de granizo. Pedras de gelo, com cerca de meio centímetro de diâmetro, em especial entre as 06:30 e as 07:00 da manhã. Segundo o IPMA tratou-se de "uma linha de instabilidade" que foi subindo a norte, para os distritos de Beja e Setúbal, mas com menos intensidade" e que provocaram inundações pontuais na via publica e em garagens e algumas quedas de árvore.

  • Milhares de alunos trocam aulas pelas ruas contra armas nos EUA
    2:43
  • Rainha Isabel II faz hoje 92 anos
    2:36
  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59