sicnot

Perfil

Economia

EUA apelam à Grécia para que chegue a acordo com credores

O governo dos EUA apelou ao grego para que finalize um programa de reformas "que mereça o apoio financeiro dos credores", indicou hoje o Departamento do Tesouro norte-americano, depois de uma reunião com o ministro das Finanças helénico. 

© Mike Theiler / Reuters

Yanis Varoufakis reuniu-se hoje, em Washington, com o subsecretário do Tesouro encarregado das relações internacionais, Nathan Sheets, depois de, na véspera, se ter reunido com a diretora do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, um dos credores da Grécia. 

O dirigente norte-americano apelou para que a Grécia "se envolva plenamente num processo de negociações técnicas com os seus parceiros internacionais, para finalizar um programa de reformas que mereça um apoio financeiro em tempo oportuno da parte dos credores da Grécia", indicou um porta-voz do Tesouro. 

Desde há três semanas que várias especulações deixam entender que o executivo de Atenas não vai ser capaz de reembolsar 460 milhões de euros ao FMI, na quinta-feira. 

Mas, no domingo, Christine Lagarde e os dirigentes gregos procuraram anular estas especulações, depois de uma reunião em Washington.

"O ministro Varoufakis e eu discutimos os desenvolvimentos em curso e entendemos que uma cooperação efetiva é do interesse de todos", afirmou Lagarde, em comunicado.

Acrescentou também que tinha tido a garantida do ministro grego que "o pagamento devido ao fundo seria efetuado em 09 de abril". 

A Grécia encontra-se num processo negocial difícil com os seus parceiros europeus e parece procurar outros apoios. 

A visita de Varoufakis a Washington antecede a do primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, a Moscovo.

A Grécia espera que a União Europeia transfira uma última parte de um pacote de assistência financeira, de 7,2 mil milhões de euros, no quadro dos planos de financiamento concedidos pela União Europeia e o FMI, desde 2010, e que já atingiram 240 mil milhões de euros. 



Lusa
  • Vídeo 360º: nos céus de Lisboa como nunca esteve

    País

    Três Alpha Jet da Força Aérea Portuguesa estiveram presentes sobre o Jamor, durante a final da Taça entre o Benfica e o Vitória de Guimarães. A SIC e o Expresso acompanharam a passagem das aeronaves através da colocação de câmaras 360º no cockpit de duas delas.

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John McCain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • Gelado de champanhe no centro de mais uma polémica que envolve Ivanka Trump 

    Mundo

    A filha do Presidente Donald Trump está envolvida em mais uma polémica depois de uma publicação da sua marca no Twitter durante o Memorial Day, assinalado esta segunda-feira. Feriado nacional nos Estados Unidos, criado após a Guerra Civil, a data presta homenagem aos militares americanos que morreram em combate. Um dia solene, no qual muitos acolheram mal a dica da marca da atual conselheira da Casa Branca: "Façam gelados de champanhe".

  • Morreu Yoshe Oka, a "hibakusha" que avisou o Japão sobre o ataque a Hiroshima

    Mundo

    Yoshe Oka, a primeira sobrevivente de Hiroshima que informou por telefone as autoridades japonesas sobre a destruição da cidade, em 1945, morreu com 86 anos, vítima de cancro, revelou hoje a família. A "hibakusha", nome pelo qual são conhecidos os sobreviventes dos ataques a Hiroshima e Nagasaki, sofria de doenças relacionadas com os efeitos do bombardeamento. Apesar das consequências do ataque, Oka difundiu, ao longo da vida, a experiência sobre o bombardeamento tendo participado em inúmeros atos pacifistas.