sicnot

Perfil

Economia

Exportações sobem 2,1% e importações caem 3,5% de dezembro a fevereiro

As exportações aumentaram 2,1% e as importações recuaram 3,5% no trimestre terminado em fevereiro, em termos homólogos, elevando a taxa de cobertura para 84,5% e diminuindo o défice em 735,5 milhões de euros, divulgou hoje o INE.

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

No trimestre terminado em janeiro as exportações tinham aumentado 0,5% e as importações recuado 1,3%.

Segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE), no período em análise, o défice da balança comercial diminuiu 735,5 milhões de euros, para 2.123,1 milhões de euros, e a taxa de cobertura cresceu 4,7 pontos percentuais (p.p.) para 84,5%.

Considerando apenas o mês de fevereiro, as exportações de bens aumentaram 4,4% e as importações de bens diminuíram 3,6% face ao mês homólogo (-2,4% e -9,8% em janeiro de 2015, respetivamente).

O aumento das exportações é atribuído à evolução do comércio intra-UE (União Europeia), em especial nos combustíveis minerais, máquinas e aparelhos e outros produtos, já que as exportações extra-UE registaram um decréscimo.

Quanto ao recuo das importações em fevereiro, foi devido ao comércio extra-UE (essencialmente nos combustíveis minerais), tendo-se verificado um aumento no comércio intra-UE. 

Excluindo os combustíveis e lubrificantes, em fevereiro as exportações aumentaram 2,5% e as importações aumentaram 6,0% face ao mês homólogo (respetivamente +0,7% e -1,0% em janeiro de 2015).

No que se refere às variações face ao mês anterior, em fevereiro as exportações aumentaram 4,2%, sobretudo devido ao comércio intra-UE (destacando-se os combustíveis minerais, máquinas e aparelhos e plásticos e borrachas), enquanto as importações subiram 1,3%, em resultado da evolução do comércio intra-UE (em especial devido aos veículos e outro material de transporte e produtos químicos), dado que as importações extra-UE diminuíram.

Considerando apenas o comércio intracomunitário, no trimestre terminado em fevereiro ao aumento homólogo de 3,7% das exportações e ao recuo de 1,1% das importações correspondeu uma taxa de cobertura de 79,4% e um défice de 2.169,9 milhões de euros.

Em fevereiro, as exportações intra-UE aumentaram 6,8% face ao mês homólogo de 2014, enquanto as importações subiram 0,5%.

Em relação ao mês anterior, em fevereiro as exportações intracomunitárias cresceram 3,5% e as importações aumentaram 4,5%.

No que se refere ao comércio extra-UE, no trimestre terminado em fevereiro o recuo homólogo de 1,8% das exportações e de 10,8% das importações resultou num excedente de 46,8 milhões de euros e numa taxa de cobertura de 101,5%. 

Excluindo os combustíveis e lubrificantes, as exportações extra-UE cresceram 1,5% e as importações diminuíram 4,1%, tendo o saldo da balança comercial extra-comunitária atingido um excedente de 1.108,5 milhões de euros, a que correspondeu uma taxa de cobertura de 164,2%.

Em fevereiro as exportações para os países terceiros diminuíram 1,7% face a fevereiro de 2014 e as importações extra-UE baixaram 16,7%, sobretudo devido ao "comportamento do preço de importação do petróleo bruto (crude), que registou neste mês o preço mais baixo desde 2009".

Relativamente ao mês anterior, em fevereiro as exportações extra-UE aumentaram 6,2%, enquanto as importações diminuíram 9,2%.

Numa análise por grandes categorias económicas, no trimestre terminado em fevereiro o INE destaca, nas exportações, os acréscimos nas máquinas e outros bens de capital (+6,8%) e o material de transporte e acessórios (+6,0%), enquanto os combustíveis e lubrificantes registaram a maior redução (-7,3%).

Já no que se refere às importações, salienta a redução de 25,6% nos combustíveis e lubrificantes, sobretudo nos produtos primários, tendo as importações de material de transporte e acessórios registado o maior aumento (+11,3%).

  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, fez 100 dias este sábado. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52