sicnot

Perfil

Economia

Alterações ao IMI propostas pela oposição debatidas hoje na AR

O fim das isenções do pagamento do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) a fundos de investimento e o regresso de uma cláusula de salvaguarda, que limite os aumentos, constam dos diplomas que serão hoje apresentados pela oposição no parlamento.

(Lusa/ Arquivo)

O diploma do grupo parlamentar do PCP pretende estabelecer uma cláusula de salvaguarda que limite o aumento do IMI a pagar a 75 euros, face ao valor pago no ano anterior, "sempre que haja lugar a uma reavaliação dos imóveis", e defende a revogação da isenção de 50% concedida aos fundos imobiliários.

Na introdução do projeto de lei, os comunistas lembram que o processo de reavaliação levou a um "agravamento considerável" do imposto, "apanhando muitos portugueses sem condições concretas de pagar o novo IMI".

Este processo "só não foi mais brusco", segundo os comunistas, face à cláusula de salvaguarda, que diluiu o aumento e que terminou este ano, o que fará com que os contribuintes vejam os "seus rendimentos reduzidos uma vez mais".

O Bloco de Esquerda (BE) também defende o fim dos benefícios fiscais para fundos de investimento que "detêm habitações para fins de especulação", enquanto os cidadãos pagam 100% do IMI. No seu entender, esta é uma "situação aberrante e injusta".

Noutro projeto de lei, os bloquistas sugerem a suspensão extraordinária do aumento do IMI e referem que o Orçamento de Estado para 2015 prevê uma receita deste imposto de 1.623 milhões de euros, enquanto em 2014 o valor era de 1.482 milhões de euros, o que "denota bem os aumentos a que a população está sujeita".

Outro diploma do BE visa introduzir a "atualização anual automática do valor da habitação para efeitos de pagamento do IMI para maior justiça social", uma vez que atualmente não se contabiliza a idade dos imóveis e o "consequente decréscimo de valor".

"As famílias estão, assim, a pagar IMI excessivo e indevido", indicou o BE, referindo que os agregados "pagam mais de 244 milhões de euros do que deviam".

O BE apresentou ainda um projeto de lei para criar taxas reduzidas de IMI para habitação própria por haver tributação sobre o património e sobre a dívida para quem recorreu a crédito, enquanto há ainda uma redução de 20% da taxa de IMI para prédios arrendados.

Por seu lado, o PS pretende "maior equidade fiscal e maior justiça social no Código do Imposto Municipal sobre Imóveis", perante um cenário no qual o IMI é o "imposto que mais aumenta de um ano para o outro (10,1%), como bem lembrou o Conselho Económico e Social na sua apreciação à Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2015". 

Os socialistas lembram o fim da cláusula de salvaguarda que limitava o aumento anual a 75 euros, até porque está "há muito ultrapassada a meta dos 250 milhões de euros de receita adicional".

Assim, o PS propõe um "regime de salvaguarda para o valor liquidado em função da reavaliação operada ao património e a sua extensão no tempo, determinando que, em cada ano, a liquidação do Imposto Municipal sobre Imóveis não pode ultrapassar a do ano anterior, adicionada de 75 euros até ao valor patrimonial tributário apurado na avaliação, e, ainda, a alteração no faseamento do pagamento do imposto, ao nível dos tetos máximos e do número de prestações". 


Lusa
  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Guterres apela à Coreia do Norte para cumprir resoluções

    Mundo

    O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, apelou este sábado ao ministro do Exterior da Coreia do Norte, Ri Yong Ho, para o cumprimento das resoluções que o Conselho de Segurança impôs ao país em resposta à sua escalada armada.

  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.