sicnot

Perfil

Economia

Maioria PSD e CDS-PP "chumba" regresso da cláusula de salvaguarda do IMI

Os diplomas apresentados pelos partidos da oposição sobre o Imposto Municipal dos Imóveis (IMI) e que defendiam, nomeadamente, a reposição de uma cláusula para limitar o aumento anual, foram hoje rejeitados pelo PSD e CDS-PP.

Durante a discussão dos diplomas, em plenário da Assembleia da República, o deputado socialista António Ramos Preto insistiu que, nas avaliações dos imóveis para fins fiscais, seja considerado o seu estado de conservação, garantindo que a proposta do seu partido é "justa, gradualista e reconhece as necessidades dos cidadãos, não comprometendo o bem comum".

O projeto de lei socialista propunha um "regime de salvaguarda para o valor liquidado em função da reavaliação operada ao património e a sua extensão no tempo, determinando que, em cada ano, a liquidação do IMI não ultrapasse a do ano anterior, adicionada de 75 euros até ao valor patrimonial tributário apurado na avaliação, e, ainda, a alteração no faseamento do pagamento do imposto, ao nível dos tetos máximos e do número de prestações". 

O deputado acusou o Governo de se "esquecer de alterar o Código do IMI" e de "viver num mundo de fantasia", ao recusar a manutenção da 'cláusula de salvaguarda', que limita os aumentos anuais do pagamento do imposto.

Os partidos da maioria "achavam que em 2015 e 2016 já não havia carências, mas há e não querem ver a crua realidade e o brutal aumento fiscal que asfixia a classe média portuguesa", afirmou.

O deputado social-democrata João Paulo Oliveira argumentou que a cláusula de salvaguarda transitória "deixou de fazer sentido" sob pena de haver "duas casas iguais no mesmo prédio que pagam IMI completamente diferente".

"PS, Bloco de Esquerda e PCP querem que 70% dos portugueses paguem IMI na sua totalidade e não o exigem aos restantes 30%, o que não me surpreende porque não votaram favoravelmente a possibilidade de o IMI ser reduzido em função do número de dependentes" ou que fosse pago em três prestações, disse.

Pelo outro partido da maioria, Cecília Meireles, CDS-PP, recordou que o PS assinou o memorando de entendimento [com a 'troika' Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional para resgate do país], o qual previa a reavaliação dos imóveis, e que foi o Governo a impor a cláusula de salvaguarda e o aumento do número de isenções para famílias carenciadas.

Paula Santos, do PCP, também defendeu a necessidade de uma nova cláusula de salvaguarda, porque a "realidade social [o] exige" e acusou o executivo de ter "dois pesos e duas medidas: uma para as famílias e trabalhadores e uma outra para os fundos imobiliários".

Em causa estão as isenções 50% do IMI para fundos que detêm imóveis e que o PCP e o Bloco de Esquerda (BE) pretendem anular.

Pedro Filipe Soares, pelo BE, instou ao fim das "borlas" aos fundos, referindo que quem "mora" não tem desconto no IMI.

"O PSD quer dividir para reinar e criar a inveja social. Não pactuamos com isso, a justiça e a igualdade fiscal é todos pagarem", disse.

O diploma do grupo parlamentar do PCP pretendia recuperar a 'cláusula de salvaguarda' para limitar o aumento do IMI a pagar a 75 euros face ao valor pago no ano anterior, "sempre que haja lugar a uma reavaliação dos imóveis", e defende a revogação da isenção de 50% concedida aos fundos imobiliários.

O Bloco de Esquerda (BE) apresentou diplomas, nos quais propôs o fim dos benefícios fiscais para fundos imobiliários, a suspensão extraordinária do aumento do IMI, e a introdução da "atualização anual automática do valor da habitação para efeitos de pagamento do IMI para maior justiça social". 

O BE apresentou ainda um projeto de lei para criar taxas reduzidas de IMI para habitação própria por haver tributação sobre o património e sobre a dívida para quem recorreu a crédito.

Lusa
  • Marcelo lembra as consequências da demissão de Vítor Gaspar
    1:06

    Caso CGD

    O Presidente da República reitera que o assunto Caixa Geral de Depósitos está fechado. Em entrevista à TVI, Marcelo Rebelo de Sousa lembrou esta segunda-feira as consequências que a demissão de Vítor Gaspar, ministro das Finanças em 2013, provocou no sistema financeiro para justificar o facto de ter intervindo na polémica com as SMS trocadas entre Mário Centeno e António Domingues.

  • PSD e CDS admitem chamar António Costa à nova Comissão de Inquérito à CGD
    2:37

    Caso CGD

    PSD e CDS admitem chamar o primeiro-ministro à nova Comissão de Inquérito à CGD. Apesar de ser uma hipótese, a SIC sabe que os dois partidos ainda estão a definir o objeto do inquérito e, por isso, afirmam que é prematuro falar sobre eventuais audições. Seja como for, António Costa voltou esta segunda-feira a dizer que o assunto está encerrado.

  • Acha que conhece o seu país?
    27:42
  • Avioneta despenha-se em centro comercial de Melbourne

    Mundo

    Uma avioneta com cinco pessoas a bordo caiu num centro comercial perto do aeroporto de Essendon em Melbourne, capital da Austrália. Segundo a polícia do estado de Vitória tratava-se de um voo charter com destino a King Island, situada entre a parte continental da Austrália e a ilha da Tasmânia.

  • Pelo menos 18 detidos em protestos no Rio de Janeiro

    Mundo

    Pelo menos 18 pessoas foram esta segunda-feira detidas no Rio de Janeiro, Brasil, depois de confrontos com a polícia durante um protesto contra a privatização da empresa pública de saneamento, que serve o terceiro estado mais povoado do país.

  • O momento em que Kim Jong-nam terá sido envenenado
    1:21

    Mundo

    A investigação ao homicídio do meio-irmão do líder da Coreia do Norte no aeroporto da capital da Malásia está a provocar uma crise diplomática entre os dois países. Esta segunda-feira, um canal de televisão japonês divulgou imagens das câmaras de vigilância do aeroporto que alegadamente captam o momento em que Kim Jong-nam terá sido envenenado.

  • O atentado na Suécia inventado por Donald Trump
    2:12
  • Os ensaios para a maior festa do ano
    1:16

    Mundo

    Em contagem decrescente para o Carnaval, no Rio de Janeiro, já começaram os ensaios para a maior festa do ano. A noite de testes na avenida Marquês de Sapucaí conta com desfiles gratuitos.