sicnot

Perfil

Economia

BE defende que é tempo de "ajustar contas" com políticas de austeridade

A porta-voz do Bloco de Esquerda (BE) questionou hoje que esteja "toda a gente" a falar das presidenciais e defendeu que é tempo de "ajustar contas" com os resultados das políticas de austeridade do Governo PSD/CDS. 

PAULO NOVAIS

Num comício em Braga, Catarina Martins disse que já é altura de "ajustar contas" com os resultados da austeridade dos últimos anos que aumentaram a dívida pública, levaram a economia e a agricultura a "perder" importância na economia do país e beneficiaram a alta finança.

"Estamos a fazer um balanço da austeridade e há quem esteja a tentar fugir muito a este debate", acusou Catarina Martins, no comício em Braga, após uma arruada pelas ruas da cidade.

A dirigente bloquista afirmou compreender que a questão das presidenciais "é muito importante" porque quem tem Cavaco Silva como presidente da República "já percebeu" como é "péssimo" ter um "mau presidente".

"Vejam bem que no mês em que se sabe que o desemprego continua a subir e que o desemprego jovem está já em mais de 35%, sem contar com todos os malabarismo do Governo para tirar pessoas dos números do desemprego. Já repararam que toda a gente está a falar das presidenciais em vez de falar das legislativas, que são bem antes, e das escolhas de Governo que temos para fazer", questionou.

No entanto, para a porta-voz bloquista até há uma explicação com a preocupação precoce com as presidenciais de 2016. "Bem sabemos que quem tem Cavaco Silva na Presidência da República já percebeu que a questão das presidenciais é muito importante porque ter um mau presidente é péssimo para o país", disse. 

Segundo Catarina Martins, a discussão deveria ser outra pelo que, apontou, "está na altura de ajustar contas" com os resultados da austeridade.

"Diziam que austeridade servia para haver uma nova economia no país, que era preciso indústria, bens transacionáveis. Bem, depois destes anos sabem quais são os setores que perderam mais importância na riqueza do país? A indústria e a agricultura", referiu. 

Depois, pôs uma nova pergunta e à qual respondeu. "Sabem qual foi o setor que ganhou mais peso na riqueza do país? A alta finança", disse.

Por isso, concluiu, a austeridade falhou com o que havia sido prometido, dado que, disse, os problemas do país são hoje "ainda maiores". 


Lusa

  • A easyJet não está a oferecer bilhetes no Facebook. Cuidado, é uma burla

    País

    Se esteve no Facebook nos últimos dias, provavelmente reparou na oferta de dois bilhetes para uma viagem da easyJet, a propósito do 22.º aniversário da companhia aérea britânica. Uma viagem para dois tinha tudo para correr bem, não fosse um esquema de burla, criado para obter os dados pessoais dos utilizadores que partilham a publicação na rede social.

  • Brasileiros procuram Portugal
    3:59

    País

    Viver em Portugal é hoje em dia um grande sonho da classe média brasileira. De acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, só em 2016, o número de vistos de residência aumentarem em mais de 30%. A língua, a segurança e a qualidade de vida são as razões apontadas para a mudança. Todos os dias, no consulado português no Rio de Janeiro, para a obtenção de vistos.

  • Big Ben em silêncio durante quatro anos
    2:15

    Mundo

    Esta segunda-feira ficou marcada pelas últimas badaladas dos famosos sinos do Big Ben, em Londres, no Reino Unido. A torre, na qual está instalada o relógio mais famoso do mundo, vai entrar em obras e os sinos só vão voltar a tocar em 2021.

  • Garrafa lançada ao mar em Rhodes recebe resposta de Gaza
    1:43

    Mundo

    A história parece de filme, mas aconteceu numa praia de Gaza. Um casal britânico lançou uma garrafa com uma mensagem ao mar, em julho, na ilha grega de Rhodes. A garrafa foi encontrada por um pescador numa praia de Gaza, que aproveitou para enviar a resposta, na qual falou sobre as restrições impostas por Israel.