sicnot

Perfil

Economia

BE defende que é tempo de "ajustar contas" com políticas de austeridade

A porta-voz do Bloco de Esquerda (BE) questionou hoje que esteja "toda a gente" a falar das presidenciais e defendeu que é tempo de "ajustar contas" com os resultados das políticas de austeridade do Governo PSD/CDS. 

PAULO NOVAIS

Num comício em Braga, Catarina Martins disse que já é altura de "ajustar contas" com os resultados da austeridade dos últimos anos que aumentaram a dívida pública, levaram a economia e a agricultura a "perder" importância na economia do país e beneficiaram a alta finança.

"Estamos a fazer um balanço da austeridade e há quem esteja a tentar fugir muito a este debate", acusou Catarina Martins, no comício em Braga, após uma arruada pelas ruas da cidade.

A dirigente bloquista afirmou compreender que a questão das presidenciais "é muito importante" porque quem tem Cavaco Silva como presidente da República "já percebeu" como é "péssimo" ter um "mau presidente".

"Vejam bem que no mês em que se sabe que o desemprego continua a subir e que o desemprego jovem está já em mais de 35%, sem contar com todos os malabarismo do Governo para tirar pessoas dos números do desemprego. Já repararam que toda a gente está a falar das presidenciais em vez de falar das legislativas, que são bem antes, e das escolhas de Governo que temos para fazer", questionou.

No entanto, para a porta-voz bloquista até há uma explicação com a preocupação precoce com as presidenciais de 2016. "Bem sabemos que quem tem Cavaco Silva na Presidência da República já percebeu que a questão das presidenciais é muito importante porque ter um mau presidente é péssimo para o país", disse. 

Segundo Catarina Martins, a discussão deveria ser outra pelo que, apontou, "está na altura de ajustar contas" com os resultados da austeridade.

"Diziam que austeridade servia para haver uma nova economia no país, que era preciso indústria, bens transacionáveis. Bem, depois destes anos sabem quais são os setores que perderam mais importância na riqueza do país? A indústria e a agricultura", referiu. 

Depois, pôs uma nova pergunta e à qual respondeu. "Sabem qual foi o setor que ganhou mais peso na riqueza do país? A alta finança", disse.

Por isso, concluiu, a austeridade falhou com o que havia sido prometido, dado que, disse, os problemas do país são hoje "ainda maiores". 


Lusa

  • Está uma baleia no Cais do Sodré, em Lisboa

    País

    A capitania do Porto de Lisboa confirma a notícia. O cetáceo, um cachalote pigmeu com cerca de dois metros, está morto. Encontra-se encalhado junto à marge norte do Rio Tejo. A situação está a ser acompanhada pelas autoridades.

    Última Hora

  • Rúben Lima nega crimes de corrupção no processo Cashball
    6:04

    Desporto

    Rúben Lima, um dos oito jogadores suspeitos de terem sido aliciados por intermediários ao serviço do Sporting para beneficiar o clube de Alvalade, nega todos os crimes investigados pela Polícia Judiciária. Numa entrevista exclusiva à SIC, o jogador do Moreirense garante que não conhece nenhum dos quatro arguidos detidos no âmbito do processo Cashball.

    Exclusivo SIC

  • Partido Podemos com votação inédita em Espanha
    1:32

    Mundo

    Há uma votação inédita em Espanha. O Podemos começou esta terça-feira a decidir a continuidade do líder do partido, depois de Pablo Iglesias e a companheira terem comprado uma casa de 600 mil euros.

  • 14 sacerdotes suspensos por abusos sexuais no Chile

    Mundo

    A diocese da cidade chilena de Rancagua anunciou na terça-feira a suspensão de 14 sacerdotes implicados num novo escândalo de abusos sexuais sobre jovens e menores. Todos eles pertenciam a um grupo de se autointitulou de "La Familia", segundo a investigação jornalística.