sicnot

Perfil

Economia

BE defende que é tempo de "ajustar contas" com políticas de austeridade

A porta-voz do Bloco de Esquerda (BE) questionou hoje que esteja "toda a gente" a falar das presidenciais e defendeu que é tempo de "ajustar contas" com os resultados das políticas de austeridade do Governo PSD/CDS. 

PAULO NOVAIS

Num comício em Braga, Catarina Martins disse que já é altura de "ajustar contas" com os resultados da austeridade dos últimos anos que aumentaram a dívida pública, levaram a economia e a agricultura a "perder" importância na economia do país e beneficiaram a alta finança.

"Estamos a fazer um balanço da austeridade e há quem esteja a tentar fugir muito a este debate", acusou Catarina Martins, no comício em Braga, após uma arruada pelas ruas da cidade.

A dirigente bloquista afirmou compreender que a questão das presidenciais "é muito importante" porque quem tem Cavaco Silva como presidente da República "já percebeu" como é "péssimo" ter um "mau presidente".

"Vejam bem que no mês em que se sabe que o desemprego continua a subir e que o desemprego jovem está já em mais de 35%, sem contar com todos os malabarismo do Governo para tirar pessoas dos números do desemprego. Já repararam que toda a gente está a falar das presidenciais em vez de falar das legislativas, que são bem antes, e das escolhas de Governo que temos para fazer", questionou.

No entanto, para a porta-voz bloquista até há uma explicação com a preocupação precoce com as presidenciais de 2016. "Bem sabemos que quem tem Cavaco Silva na Presidência da República já percebeu que a questão das presidenciais é muito importante porque ter um mau presidente é péssimo para o país", disse. 

Segundo Catarina Martins, a discussão deveria ser outra pelo que, apontou, "está na altura de ajustar contas" com os resultados da austeridade.

"Diziam que austeridade servia para haver uma nova economia no país, que era preciso indústria, bens transacionáveis. Bem, depois destes anos sabem quais são os setores que perderam mais importância na riqueza do país? A indústria e a agricultura", referiu. 

Depois, pôs uma nova pergunta e à qual respondeu. "Sabem qual foi o setor que ganhou mais peso na riqueza do país? A alta finança", disse.

Por isso, concluiu, a austeridade falhou com o que havia sido prometido, dado que, disse, os problemas do país são hoje "ainda maiores". 


Lusa

  • Escritor e filólogo Frederico Lourenço distinguido com o Prémio Pessoa 2016

    Cultura

    O escritor, tradutor, professor universitário Frederico Lourenço foi distinguido com o Prémio Pessoa 2016. O anúncio foi feito hoje pelo presidente do júri, Francisco Pinto Balsemão, no Palácio de Seteais, em Sintra, sublinhando que a atividade de Frederico Lourenço tem como "traço singular" ter oferecido "à língua portuguesa as grandes obras de literatura clássica".

  • Governo garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo de ajuda alimentar
    1:18

    País

    O ministro da Solidariedade e Segurança Social garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo europeu de ajuda alimentar. Vieira da Silva respondeu, esta manhã, à notícia avançada pelo Jornal de Notícias que dava conta de que, este ano, o país teria desperdiçado 28 milhões de euros de um fundo europeu porque o programa ainda não está operacional. O ministro garante que o programa vai ser executado em 2017 e que este ano serviu para tomar medidas no sentido dessa implementação. Vieira da Silva assegura também que o montante disponível para o programa não foi desperdiçado e vai poder ser usado.

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Explosão no Cairo faz seis mortos

    Mundo

    Seis pessoas morreram hoje numa explosão junto a um posto de controlo da polícia no Cairo, indicaram os meios de comunicação social e responsáveis egípcios.