sicnot

Perfil

Economia

Portas visita feira de mobiliário em Milão com número recorde de empresas lusas

Um total de 42 empresas portuguesas, um número recorde, participa este ano na Feira de Milão, considerada a maior mostra de mobiliário da Europa e que na terça-feira recebe a visita do vice-primeiro ministro português, Paulo Portas.

ANDR\303\211 KOSTERS

A participação de Paulo Portas e do presidente da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP), Miguel Frasquilho, na "Isaloni Milão 2015" ocorrem numa fase em que as exportações de mobiliário e colchoaria "superam as expectativas", segundo refere a Associação Portuguesa das Indústrias de Mobiliário e Afins.

O valor das exportações no período compreendido entre janeiro e dezembro de 2014 aumentou 13%, em termos acumulados homólogos, totalizando 1,388 mil milhões de euros.

A França é o principal mercado de destino destes bens fabricados em Portugal, com 361 milhões de euros em vendas, tendo crescido 2% face a igual período de 2013 e representando 26% do total de exportações do período em análise.

A Espanha mantém a segunda posição, com um volume de vendas de 360 milhões de euros, crescendo 11% em termos homólogos e aproximando-se cada vez mais da importância do mercado francês.

Angola ocupa a terceira posição do 'ranking', com uma quota de 10% das exportações, mas com um decréscimo homólogo de 1%.

É ainda de destacar que o Reino Unido registou o crescimento homólogo de 151%, posicionando-se no quinto lugar da lista das exportações portuguesas neste domínio, com um volume de vendas superior a 74 milhões de euros.

Na visita às empresas portuguesas representadas na Feira de Milão, Portas estará ainda acompanhado do embaixador de Portugal em Itália, Manuel Lobo Antunes.

Lusa
  • Hospitais vão ser penalizados se não cumprirem tempos de espera
    2:37

    País

    O Ministério da Saúde vai penalizar os hospitais que não cumprem os tempos de espera nas urgências e que tenham taxas elevadas de cesarianas. O novo modelo de financiamento prevê ainda linhas de financiamento próprio para a obesidade e rastreios do cancro do cólon e do colo do útero.

  • Assédio, até onde vai a tolerância?
    35:26