sicnot

Perfil

Economia

Volkswagen Autoeuropa parou esta tarde devido a falha no fornecimento de material

A Autoeuropa fez hoje uma paragem durante a tarde devido à falta de um tubo de travão para os veículos produzidos na fábrica de Palmela, "um problema logístico da inteira responsabilidade do fornecedor", informou fonte oficial da empresa.

(Arquivo)

(Arquivo)

SIC

A administração da Volkswagen Autoeuropa não adianta mais explicações sobre o sucedido, mas o coordenador da Comissão de Trabalhadores, António Chora, considera que "não há motivo para preocupações".

"Houve um problema com um dos fornecedores, a TTS, que é responsável por colocar a produção na fábrica de Palmela e que, por qualquer razão que ainda desconhecemos, não entregou o material e obrigou à paragem do turno da tarde", disse á Lusa António Chora.

"Temos a informação de que o problema será resolvido até às 22:30 de hoje", acrescentou o representante dos trabalhadores.

Apesar de desvalorizar a paragem efetuada no segundo turno de hoje, António Chora referiu que, desde o início do ano, a fábrica de Palmela já foi forçada a fazer três downdays (dias de paragem da produção) devido à falta de material, além do meio-dia de paragem que ocorreu esta segunda-feira.

Questionado sobre o fornecimento alternativo de materiais que determinaram as paragens anteriores, designadamente dos vidros dos carros produzidos pela Dura Automotive, no Carregado, onde ocorreu um incêndio no passado dia 3 de março, António Chora disse que os materiais em causa estão a ser produzidos em diversas fábricas, pelo menos uma delas na Alemanha, mas acrescentou que se prevê que toda a produção volte em breve para Portugal.

 A Autoeuropa, a maior empresa do setor automóvel em Portugal, é responsável por mais de 3.600 postos de trabalho diretos e fundamental para a atividade de milhares trabalhadores de outras empresas portuguesas que são fornecedoras da fábrica de Palmela, no distrito de Setúbal.

Lusa

  • Costa preparado para falar da renegociação da dívida no plano europeu
    2:24

    País

    O primeiro-ministro não quer quebrar com as regras impostas pela UE e não vai dar o primeiro passo na renegociação da dívida, mas estará na linha da frente quando Bruxelas ceder. Em entrevista à RTP, António Costa garante que o Governo cumpriu tudo aquilo que acordou com o presidente demissionário da Caixa Geral de Depósitos, António Domingues.

  • Nova Deli é "altamente tóxica" para os cidadãos

    Mundo

    Nova Deli foi considerada altamente tóxica para os cidadãos. A capital da Índia é considerada há mais de três anos a cidade mais poluída do mundo, mas só este ano se concluiu que é tão tóxica que é capaz de provocar doenças crónicas a quem lá vive.