sicnot

Perfil

Economia

Angola cresce 4,5% este ano e abranda para 3,9% em 2016

A economia de Angola vai acelerar para os 4,5% este ano e abrandar para 3,9% em 2016, prevê o Fundo Monetário Internacional (FMI) no World Economic Outlook, um relatório sobre a economia mundial hoje divulgado em Washington.

Reuters

De acordo com os peritos do FMI, que hoje lançaram a primeira de duas edições anuais desta análise à economia mundial, Angola vai acelerar ligeiramente o crescimento económico para os 4,5%, face aos 4,2% que cresceu no ano passado. 

A fatura da descida dos preços do petróleo, no entanto, vai fazer-se sentir de forma mais acentuada em 2016, ano em que o segundo maior produtor na África subsaariana vai ficar-se pelos 3,9%, bem abaixo da média de 5,2% dos exportadores de petróleo da região.

O relatório do FMI apresenta um conjunto de indicadores e previsões sobre Angola, não detalhando as razões que sustentam as previsões, mas ainda assim fica claro que a inflação deverá aumentar neste e no próximo ano, passando de 7,3% em 2014 para 8,4% este ano e 8,5% no ano seguinte.

A queda do preço do petróleo desde o verão passado tem tornado evidente a excessiva dependência da economia angolana do ouro negro, responsável por mais de 95% das exportações do país e por 70% da receita fiscal no ano passado, uma alínea que este ano vai reduzir-se para 36,5%.

A redução das receitas obrigou o executivo liderado por José Eduardo dos Santos a elaborar um Orçamento retificativo, em que o preço de referência do barril de petróleo desceu de 81 para 40 dólares, ainda assim abaixo do preço de estabilização antecipado pelos analistas, em torno dos 50 ou 60 dólares.

Além de efetuar um conjunto de cortes na despesa e de ter reduzido substancialmente os subsídios aos combustíveis - uma 'velha' batalha do FMI -, Angola encetou um ambicioso programa de financiamento internacional, recorrendo não só aos tradicionais doadores internacionais, como Banco Mundial ou Banco Africano para o Desenvolvimento, mas também à banca comercial.

O resultado destes empréstimos é que Angola vai pagar 5,3 milhões de euros por dia de juros em 2015, com o 'stock' da dívida pública a elevar-se a 41,9 mil milhões de euros, equivalente a 45,8% PIB do país, segundo a revisão, aprovada em março, do Orçamento Geral do Estado (OGE) para 2015.

O buraco nas contas públicas angolanas, devido à forte quebra das receitas petrolíferas, está agora avaliado em 806,5 mil milhões de kwanzas (6,9 mil milhões de euros), obrigando a novas necessidades de financiamento, quando está em curso uma negociação do Governo com o Banco Mundial para a obtenção de um empréstimo também de 500 milhões de dólares.

Angola já garantiu, entretanto, empréstimos de 500 milhões de euros dos espanhóis do BBVA, e de 250 milhões de dólares (236 milhões de euros) do norte-americano Goldman Sachs e do fundo britânico Gemcorp Capital, cada.

Além destes, e com o mesmo argumento, Angola aprovou em agosto um financiamento de 1.500 milhões de dólares (1.417 milhões de euros) junto do banco russo VTB Capital PLC.

Soma-se, já este mês, um empréstimo de 123,7 milhões de dólares (115 milhões de euros), aprovado pelo Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) para financiar um projeto de abastecimento de água e saneamento básico em Angola. 

O banco sul-africano Rand Merchant Bank (RMB) vai financiar o projeto de construção e reabilitação de duas estradas nacionais angolanas (EN 180 e 225) com 216 milhões de dólares (203 milhões de euros).

Lusa
  • "A banca parece que não aprendeu nada com a bolha imobiliária de 2008"
    3:23

    Opinião

    O Governo quer limitar a venda de produtos financeiros pelos bancos. Está no parlamento uma proposta de lei que penaliza as más práticas comerciais e tenta proteger os clientes, evitando abusos e encargos excessivos e obrigando os bancos a prestarem-lhes mais informação. A proposta prevê ainda que seja dada mais formação aos funcionários. Miguel Sousa Tavares considera a decisão do Governo acertada uma vez que protege os interesses dos clientes. O comentador da SIC faz ainda referência ao ano 2008, início da crise no ramo imobiliário por "culpa dos credores".

    Miguel Sousa Tavares

  • PSP apreende 11 armas e 700 quilos de droga
    0:59

    País

    A PSP recuperou mais três das 57 pistolas Glock que foram dadas como desaparecidas da Direção Nacional da Polícia de Segurança Pública, há mais de um ano. As armas foram apreendidas na última madrugada durante uma operação de combate ao tráfico de estupefacientes. Três pessoas foram detidas. Além das três Glock que pertenciam à PSP, foram aprendidas mais 11 armas e 700 quilos de droga.

  • Deputados pedem medidas urgentes para travar exploração de urânio junto à fronteira
    3:06

    País

    Um projeto de exploração de urânio no município de Retortilho em Salamanca, a cerca de 40 quilómetros da fronteira portuguesa, está a causar preocupação nos dois países. Portugueses e espanhóis temem o risco de contaminação por via aérea e fluvial. Deputados portugueses visitaram o local, onde pediram medidas firmas e urgentes ao Governo para travar o projeto. As autoridades de Espanha não acionaram o mecanismo de avaliação ambiental partilhada.

  • Trump desafia Oprah a candidatar-se para ser "derrotada como todos os outros"

    Mundo

    Apesar de Oprah Winfrey ter excluído uma eventual candidatura às eleições presidenciais dos Estados Unidos da América, Donald Trump ainda não se esqueceu dos rumores e desafiou a apresentadora a candidatar-se em 2020. Através do Twitter, o Presidente norte-americano disse ainda que assim poderia ser "exposta e derrotada como todos os outros".

    SIC

  • Mulher enterrada viva no Brasil
    1:13

    Mundo

    Uma mulher de 37 anos terá sido enterrada viva no oeste da Bahia, no Brasil. A certidão de óbito aponta um choque séptico como a causa da morte, mas os ferimentos com que foi encontrada no interior do caixão indicam um possível erro. Os moradores de casas vizinhas do cemitério municipal onde Rosângela dos Santos foi enterrada ouviram gritos vindos do túmulo.

  • "Os Estados Unidos são uma sociedade de pistoleiros"
    3:47

    Opinião

    Donald Trump admite regras mais apertadas para quem compra armas, isto após o tiroteio numa escola da Florida que fez 17 mortos. Miguel Sousa Tavares defende que os Estados Unidos da América são "uma sociedade de pistoleiros" e diz que a Associação Nacional de Rifles "gasta muito dinheiro" para conseguir que as leis não sejam mudadas no Senado.

    Miguel Sousa Tavares