sicnot

Perfil

Economia

FMI revê crescimento português em alta

O Fundo Monetário Internacional (FMI) espera que a economia portuguesa cresça 1,6% este ano e 1,5% no próximo, previsões mais otimistas do que as apresentadas no final do ano passado, segundo as estimativas hoje publicadas.  

Reuters

De acordo com o 'World Economic Outlook', hoje publicado, o Fundo antecipa que, depois de Portugal ter crescido 0,9% em 2014, a economia acelere o ritmo de crescimento para os 1,6% este ano e para os 1,5% em 2016.

Em novembro do ano passado, quando concluiu a primeira monitorização pós-programa, a instituição liderada por Christine Lagarde previu um crescimento mais modesto tanto para 2015 como para 2016, de 1,2% e de 1,3%, respetivamente.

O FMI prevê ainda que a taxa de desemprego em Portugal seja de 13,1% este ano e de 12,6% em 2016, uma projeção que é também mais otimista do que a apresentada no 'World Economic Outlook' de 2014, em que estimava que a taxa de desemprego fosse de 13,5% em 2015.

No relatório de hoje, o Fundo apresenta também previsões para a inflação, antecipando que a taxa fique nos 0,6% este ano e nos 1,3% em 2016, e para as contas externas, estimando que as contas de Portugal com o estrangeiro atinjam os 1,4% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2015 e os 1% do PIB no próximo ano.

Nas últimas previsões apresentadas pelo Governo para este ano, conhecidas em outubro de 2014 aquando da apresentação da proposta de Orçamento do Estado para 2015, o Executivo apontava para um crescimento de 1,5% este ano.

Quanto às previsões para 2016, o Governo antecipou no Documento de Estratégia Orçamental (DEO), apresentado em abril do ano passado, que a economia portuguesa deveria crescer 1,7% no próximo ano.

De acordo com o calendário do semestre europeu, o Governo tem de enviar este mês para Bruxelas o programa nacional de reformas, um documento que os Estados-Membros detalham as medidas com que pretendem alcançar um crescimento inteligente, sustentável e inclusivo, e o plano de estabilidade, em que apresentam a estratégia para garantir finanças públicas sólidas.


Lusa
  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.