sicnot

Perfil

Economia

Pires de Lima diz que "não é simpático" governar com intervenção direta da troika

O ministro da Economia, António Pires de Lima, afirmou hoje, em Sevilha, que "não é simpático governar" com a intervenção direta de credores e que a presença da 'troika' em Portugal acelerou ajustes que também multiplicaram um custo social.

Jos\303\251 Goul\303\243o

"Foi muito importante deixar há quase um ano o resgate, não é simpático governar com a intervenção direta dos credores, porque há uma presença permanente que é intrusiva", afirmou Pires de Lima no Foro Joly, um fórum de debate empresarial realizado na Andaluzia, no qual participam cerca de 250 empresários portugueses e espanhóis e representantes institucionais.

O ministro da Economia português justificou ainda que a intervenção da 'troika' implicou avaliações e discussões, "em que no final há um caminho que implica cedência para que cada uma dessas avaliações tenham um resultado positivo".

"A intervenção da 'troika' acelerou um conjunto de ajustes que também multiplicaram um custo social", acrescentou Pires de Lima, durante o momento de respostas a perguntas dos empresários presentes na audiência.

O governante lembrou que Portugal "estava comprometido com o memorando [celebrado com a 'troika']" e frisou a importância do seu cumprimento para a recuperação da credibilidade do país e a obtenção de avaliações positivas. 

"A partir do momento em que assinas o memorando, a margem de liberdade é o que é", disse.

Do ponto de vista social, Pires de Lima afirmou que Portugal sofreu muito com a evolução do desemprego, mas acrescentou que, "a partir o momento em que a economia entrou em desenvolvimento, foram criados 134 mil empregos nos últimos meses". 

Além disso, estimou um crescimento da economia portuguesa nos próximos dois/três anos em torno dos 3%.

Durante o evento, Pires de Lima foi ainda questionado sobre o interesse de bancos espanhóis na compra do Novo Banco, mas foi perentório na resposta: "O Banco de Portugal é que vai decidir, não é o Governo. Há vários candidatos e o banco Santander e o La Caixa são duas entidades que são bem-vindas neste investimento".

O ministro da Economia português sublinhou a importância da recuperação da estabilidade do Novo Banco com a entrada de um novo acionista.

António Pires de Lima está hoje em Sevilha, Espanha, para promover as trocas comerciais e o investimento entre Portugal e Andaluzia, onde terá ainda hoje mais encontros com empresários portugueses e espanhóis.

  • A casa dos horrores
    7:57
  • PGR e presidente do Supremo deixam recado à ministra da Justiça
    2:45

    País

    Durante a abertura do ano judicial, a Procuradora-Geral da República e o presidente do Supremo Tribunal aproveitaram para deixar um recado à ministra da Justiça: é urgente aprovar o novo estatuto de juízes e magistrados. O presidente do Supremo diz que é injusta a má imagem da Justiça e pediu contenção aos magistrados.

  • Rui Rio tem sentido "alguma turbulência" no PSD
    2:01

    País

    Rui Rio e Pedro Passos Coelho tiveram esta quinta-feira a primeira reunião, desde que foi eleito o novo líder do PSD. À saída, Passos Coelho desejou que esta transição decorra com naturalidade. Já Rui Rio disse que tem sentido alguma turbulência no partido.

  • Sindicatos rejeitam fim das baixas médicas até três dias
    2:02

    País

    A CGTP quer levar o tema das baixas médicas à Concertação Social, já a UGT diz que há outras matérias prioritárias. Ainda assim as duas centrais sindicais lembram que a não justificação de faltas pode dar origem a um despedimento por justa causa. Esta quinta-feira o bastonário da Ordem dos Médicos propôs ao Governo que acabe com as baixas de curta duração, até três dias.

  • Papa interrompe percurso no Chile para ajudar polícia
    0:21